13Mai/15

Terror noturno, você sabe o que é?

POR: Mirela AciolyCATEGORIA: Diversos(2) COMENTÁRIOS

Aconteceram poucas vezes por aqui no entanto as vezes que aconteceram foram suficientes para me lembrar da importância de falar um pouco sobre esse assunto com vocês pois se eu nunca tivesse lido sobre esse tal terror noturno, ia achar que nas vezes que Matheus chorou aterrorizado no meio da noite sem motivo aparente, estava tendo nada mais do que um pesadelo.

Chega a ser até interessante essa historia de terror noturno porque depois que você passa a saber da sua existência, você consegue distingui-lo de pesadelo (na mesma semana aqui em casa tivemos pesadelo e terror noturno, por isso digo que é interessante pois eu consegui distinguir) e isso é importante para você saber como lidar.

Terror noturno

“É um distúrbio do sono comum em cerca de 3% das crianças.

Costuma atingir mais meninos que meninas e geralmente acontece entre 2 e 6 anos de idade.

A diferença entre o terror noturno e o pesadelo é que no pesadelo a criança acorda e consegue relatar o que sonhou (naquela semana que eu disse que aconteceram ambos, eu soube quando foi pesadelo porque Matheus relatou o sonho. No caso um carro tinha batido nele). Já no terror noturno não, a criança vai chorar, gritar, mas não acorda (foi o que aconteceu num outro dia)! Por isso não adianta fazer muito porque o seu filho vai ignorar totalmente as suas tentativas de acalmá-lo e no dia seguinte ele nao vai lembrar de nada.

As causas ainda são desconhecidas, porém, fatores psicológicos podem desencadear o terror noturno, como por exemplo mudanças, um evento traumático, separação dos pais, entrada na escola e outros. Na maioria dos casos o terror noturno desaparece sem nenhum tratamento, quando a criança cresce.

É importante proteger a criança pra que ela não se machuque, principalmente quando há sonambulismo associado, por isso é recomendado que a criança durma em cama baixa. Caso ela durma em berço ou numa cama alta, coloque entao um colchãozinho no chão para se ela cair ou pular, não se machucar.

O terror noturno ocorre de 2 a 4 horas depois de dormir, que é quando a criança muda do sono profundo para um sono leve (a fase em que os olhos se movimentam rapidamente durante o sono). Esse fenômeno está relacionado com sonambulismo e falar dormindo.
Atenção: Embora a criança esteja dormindo, ela não esta em coma.

A sugestão dos pediatras é tentar conectar-se com o subconsciente da criança. Pegue-a nos seus braços, balance-a com carinho, cante uma canção de ninar que ela está bem acostumada a ouvir. Fale repetidamente: “Mamãe e papai te amam”. Repita essas palavras junto com o embalo várias vezes, até que o ataque passe.

Se os ataques forem frequentes, recomenda-se que você faça uma rotina bem calma todos os dias antes de dormir. Enquanto você canta uma canção  de ninar, finja que está “vestindo” uma roupa protetora nela. Toda noite aplique essa roupa mágica, dos pés à cabeça, cantando a mesma canção.

Toda vez que você faz esse ritual, mais e mais você está mandando uma mensagem para o subconsciente da criança que tudo ficará bem. No meio do ataque noturno, você provavelmente será capaz de confortar o subconsciente da criança (lembre-se, ela está dormindo) aplicando a roupa invisível e cantando a canção.”

Trecho extraído do livro “The happiest toddler on the block”, de Harvey Karp.

#TerrorNoturno

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS

2 comentários

2 Comentários

Priscila Castro

13 de Maio de 2015 às 13:25Responder

Meu filho tem isso. A primeira vez que aconteceu ele tinha uns seis ou sete meses. Quase morri do coração, porque ele chorava desesperado e ficava todo mole nos meus braços, chorando sem parar, dormindo. Conseguimos acalmar ele e acordou no outro como se nada tivesse acontecido, fui pesquisar e descobri que era isso. Hoje ele está com um ano e meio e de lá pra cá aconteceram umas cinco vezes mais, por mais que eu saiba o que seja, é terrível ver ele desse jeito. Detalhe que, até onde eu sei, ele não passou por nenhum trauma, não sei o que pode ser a causa.

Wagner Rodrigues

13 de Maio de 2015 às 14:42Responder

Nossa, não sabia a diferença entre os dois, e ainda mais que acontece mais em meninos.. Isso é algo que os pais devem sempre estar a par, parabéns por serem tão atenciosos com seus filhos..

Deixe um comentário