16Set/15

Pegadinha do positivo!

POR: Mirela AciolyCATEGORIA: Diversos(0) COMENTÁRIOS

Gente, eu ri demais ontem quando vi essas imagens e precisei compartilhar com vocês aqui!

Olha a reação dos maridos/namorados quando a mulherada manda via WhatsApp uma foto de um teste de gravidez de farmácia dando positivo e finge ser seu!

Serio, não sei qual das reações me fez rir mais. Só sei que depois que a Bruna nascer, tipo uns três meses depois, vou fazer com o marido hahaha #NãoResisto

E por aí?

Quem tem coragem de aprontar uma dessas com o maridão/namorado?

IMG_0055

IMG_0056

IMG_0057

IMG_0058

IMG_0059

IMG_0060

IMG_0061

IMG_0062

IMG_0064

IMG_0065

IMG_0066

IMG_0067

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , ,
29Jul/15

Crianças com horários de sono regulares são mais bem comportadas

POR: Mirela AciolyCATEGORIA: Educação, Papo de Mãe(0) COMENTÁRIOS

00e5fb7b1ed742b827bda0aabd20917a

“Há muito tempo, esse tem sido considerado algo imprescindível para os pais – uma hora de dormir regular, seguida por crianças obedientes.  Mas horas de sono regulares podem significar mais do que algumas horas de paz e silêncio para os pais. Segundo uma pesquisa recente, crianças que são postas para dormir todos os dias no mesmo horário comportam-se de forma significantemente melhor.

As crianças com horários de sono erráticos têm maior probabilidade de ter problemas comportamentais, incluindo hiperatividade, dificuldade em relacionar-se com outras crianças, problemas emocionais e sintomas parecidos ao jetlag, de acordo com especialistas.

As crianças que passaram por um período longo sem horários regulares de dormir sofreram um maior impacto causado pelas interrupções no seu ritmo corporal natural que pode causar uma privação do sono. Por sua vez, essa privação prejudicou a maturação do cérebro e a habilidade da criança se comportar bem, de acordo com um estudo que considerou mais de 10.000 crianças e foi levado a cabo pela University College London (UCL).

Mas, descobriu-se que o impacto dos padrões de sono erráticos não é irreversível – pais que começaram a por seus filhos para dormir em horários regulares notaram uma melhora no seu comportamento, assim como seus professores.

Os dados foram coletados através do UK Millennium Cohort Study, considerando os horários de dormir de crianças de três, cinco e sete anos e a informação sobre seu comportamento foi repassada por seus pais e professores.

As crianças de três anos foram as que tinham horários de sono mais irregulares, com uma em cada cinco dormindo em horários variados. Na idade de sete, mais da metade tinha horários de dormir regulares entre 19:30 e 20:30, com apenas 9% indo para a cama depois das 21:00.

As crianças que tinham horários de sono irregulares com três e cinco anos apresentavam melhor comportamento ao chegar à idade de sete e ter os seus horários de sono regularizados. Se os horários erráticos não se alteravam, no entanto, seus pais descreviam como o seu comportamento se deteriorava progressivamente.

A professora Yvonne Kelly, do departamento de epidemiologia e saúde pública do UCL, disse que já se sabia que o desenvolvimento das crianças nos seus primeiros anos tinha profundas influências na sua saúde e bem estar ao longo da sua vida: “Não ter horários de sono regulares, acompanhado pelo senso constante de atividade, induz o corpo e a mente a uma situação análoga ao do jetlag e isso impacta no desenvolvimento saudável e no comportamento do dia-a-dia,” disse ela.”

R E S U M I N D O:

Partiu organizar o sono da criança aqui em casa porque a má criação anda rolando solta! =(

Tradução: Bel Kock-Allaman

Fonte: http://www.gulf-times.com/uk-europe/183/details/368556/children-with-regular-bedtimes-less-likely-to-misbehave%3a-study

 

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , ,
10Set/14

Manter a moral ás vezes pode doer

POR: MirelaCATEGORIA: Confessionário, Diversos, Papo de Mãe(10) COMENTÁRIOS

Sabe aquele momento que você perde o controle e exagera na forma como briga com o seu filho?
Acho que toda a mãe já viveu nesse instante…
E como dói!
Como dói errar e ter que segurar a postura mesmo sabendo que exagerou… Como dói ter que encarar de frente a realidade de saber que seres humanos erram, mães são seres humanos, logo erram também.

Hoje eu exagerei… Errei, me arrependi e não pude pedir desculpa porque de certa forma o meu erro foi para educar, mas sei que exagerei e se pedisse desculpa deitaria por água a baixo o pouco benefício que aquele exagero pode trazer.
A teimosia é o que me faz tirar mais do sério e Matheus é teimoso como eu nunca vi na vida.
Faz uma vez, é avisado que não pode, faz que não ouve e repete sei lá quantas mais vezes. Na maioria eu consigo contornar, distrair e corrigir, mas tem hora que a paciência tá lá na casa de chapéu por mil e um motivos e é nessa hora que vem explosão e a cagada acontece.
Hoje eu explodi e a minha mão estralou na mão dele acompanhada de um firme e sonoro “já falei que NÃO!”
No mesmo instante que escutei o estalo, escutei também o peso da consciência gritar comigo mesma!
Caramba, na mesmo hora quis voltar atrás e abraçá-lo para pedir desculpa pela péssima atitude que tinha tomado, mas não pude fazê-lo porque senão não iria aproveitar nada benéfico dali… tipo, já que tinha feito a besteira, voltar atrás seria maior besteira ainda.
Antes que falem, aprendi a ser contra a palmada, ou melhor, o meu filho me ensinou a ser contra e não tenho problema algum em pedir desculpa quando erro e peço todas as vezes que forem necessárias, até porque acho um ótimo ensinamento para ele, mas tem hora que não posso mostrar que errei pois perco aquele negócio tão difícil de conquistar e tão fácil de perder: A moral!

É, não é fácil ser “humãe”!

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , ,
29Ago/14

Texto Marcos do Bebé até 1 Ano

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Educação, Papo de Mãe(3) COMENTÁRIOS

Mãezonas !

O primeiro ano de vida do nosso Bebê é para comemorar todas as mudanças motoras que aconteceram ate aqui !
Concordam??
E Como nosso baby cresce rápido ne?! E como falamos nisso!

Um pouco repetitivo, mas é pura verdade e com passar de mágica já chegou o 1º aninho!!
E o que aconteceu de desenvolvimento motor?! Pararam para pensar?!

Vamos falar um pouquinho sobre o 1º ano dos nossos filhos! Trago uma pequena referência rápida das etapas motoras.

Gente, Rápida, ok?
É apenas uma média de aquisições.
Se o seu bebê estiver ligeiramente fora dessa médias não se estresse. Cada bebê desenvolve de modo diferente da outra e de forma particular.

Sempre consulte o médico pediatra ou um #terapeutaocupacionaldo seu filho se você tiver dúvidas.

-Do Nascimento a 2 meses

Bebê levanta um pouco a cabeça, quando colocado de bruços
Alterna chutes nas pernas
Mãos fechadas

-3 Meses a 5 Meses

Quando de bruços e apoiado nos antebraços levanta cabeça e o peito
Observa os brinquedos
Rola para um lado
Traz as mãos na linha média
Apreende objetos voluntariamente
Transferências brinquedos de mão a mão

-6 Meses a 8 meses

Senta-se independentemente
Alcança objetos quando de bruços
Rola para os dois lados
Gira sobre si mesmo
Arrasta-se
Pode começar a se puxar para ficar de pé

-9 Meses a 11 Meses

Puxa para ficar de pé
Engatinha
Fica sozinho por um breve período de tempo
Deambulação precoce pode começar
Pode começar a subir escadas de 4 apoios

-12 meses a 15 meses

Fica de pé sem apoio
Começa a andar
Desloca-se segurando em móveis
Capaz de iniciar caminhada, parar e virar sem cair

Ate a Próxima, uma Mamãe bem informada, é uma mamãe que Cria e Brinca!

IG @MamãeCriaEBrinca / Fan Page
Raquel Jaskulski
Terapeuta Ocupacional
CREFITO 5/6124
Membro ABRATO/ Associação Brasileira dos Terapeutas Ocupacionais

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , , ,
29Ago/14

Video do curso de gestante – Plano BB

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Durante, Papo de Gestante, Papo de Mãe(4) COMENTÁRIOS

Bom dia mamães,

Hoje vocês vão poder ver como foi o curso de gestantes que eu e a Pediatra Dra. Marina Rocha Azevedo fizemos no mês passado. Contei tudo sobre ele e mostrei as fotos aqui, mas agora o video ficou pronto e está tão perfeito e emocionante que eu preciso mostrar para vocês e contar que muito em breve abrimos inscrições para o próximo.

http://youtu.be/izLwud6qX2M

Não deixem de comentar e compartilhar,
além de adorar a participação de vocês aqui, fazendo isso vocês ajudam o blog a crescer =)

Beijos
Mi

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , , , , ,
14Ago/14

É compartilhando que a minha vida anda

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Papo de Mãe(4) COMENTÁRIOS

Matheus tinha pouco mais de 5 meses quando eu comecei a sentir vontade de compartilhar com desconhecidos, os sentimentos e emoções mais intimas do meu novo mundo: O mundo materno.
Até ali, desabafar com quem fazia parte do meu dia a dia, me fazia sentir sempre pior do que quando guardava para mim os desabafos. Era estranho isso, mas quem mais me amava, era exatamente quem mais indiretamente me culpava ou me fazia sentir culpada por coisas que eu tinha quase certeza não serem minha culpa.
Inconformada e me sentindo quase como uma aberração em forma de mãe, um dia resolvi criar um blog e começar a falar sem medo, sobre tudo o que eu estava achando da maternidade.
Precisava de alguma forma, falar das coisas que descobri sobre o que é ser mãe no papel de mãe. Falar das maravilhas e encantos, mas falar principalmente sobre as coisas que nunca ninguém me contou nem parecia querer contar.

Quase como que cogumelos raros que nascem escondidos por trás de rochas, conforme ia desabafando, começaram a surgir timidamente leitoras que, quanto mais me viam desabafar, mais coragem criavam para se revelar, e foi assim que comecei a descobrir que, num mundo quase secreto, existem mais “mães Mirelas”. Mães que se sentem maravilhadas com a maternidade, mas meio perdidas, cansadas, que erram, que se culpam quando erram e que acham que não vão dar conta de cuidar e educar um filho para o mundo.
Mães que tal como eu, até então se sentiam sufocadas por não poderem se queixar, reclamar ou até mesmo chorar sem motivo aparente, porque se o fizessem, dedos apontados surgiriam e sentimentos como culpa, frustração e desilusão ocupariam o lugar de destaque nas suas mentes.
Compartilhar começou a ser terapia para mim.
Descobrir que em algum outro lar que não o meu, existia outra mãe que sentia o mesmo que eu, me fazia sentir normal… Me fazia sentir normal e acima de tudo sentir bem e ter vontade e disposição para continuar seguindo pelo caminho até então percorrido.
Como é bom você saber que afinal você está indo bem, e mesmo quando erra você continua sendo a melhor mãe que o seu filho pode ter simplesmente pelo fato de estar constantemente tentando acertar.

Como é bom você se encontrar, ainda que virtualmente com gente que não te julga, não te acusa e que mesmo que não te entenda, te compreenda.

É por isso que hoje estou aqui para contar para vocês sobre o Movimento “Minha vida anda”, uma iniciativa dos calçados BIBI, que retrata justamente isso:
Uma busca constante de bem estar para todos. Sim, porque quando uma mãe (ou um pai) se descobre “normal” todos os que a(o) rodeiam beneficiam dessa descoberta.

Que tal se juntar a esse movimento?
Estão todos convidados. Basta participar do grupo no Facebook clicando aqui e solicitar a participação.
Nesse grupo vocês vão encontrar o que eu tanto procurei “secretamente” e só encontrei quando comecei a compartilhar.
Ali vamos poder trocar experiências com outras mães e até outros pais, e descobrir assim, de uma forma natural e saudável, que até os sentimentos mais loucos são comuns no coração de todos que embarcaram na mais louca e emocionante aventura da vida.
Bora???
Garanto que você vai ver que compartilhando a vida anda muito melhor.

Bjs
MiIMG_0247

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , ,
6Ago/14

#CoisasDeMatheusEPepeu – Pegando Pepeu no PetShop

POR: MirelaCATEGORIA: Matheus, Papo de Mãe(6) COMENTÁRIOS

https://www.youtube.com/watch?v=3BvcKm7jCCM

Prometo filmar o drama que é quando deixamos Pepeu no petshop e postar aqui também.
Um minuto e cinquenta de Matheus e Pepeu só para vocês!
Espero que gostem e não esqueçam de curtir o canal pois em breve temos mais vídeos.

Bjos
Mi

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , , , ,
31Jul/14

Carta de mãe para mãe

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Papo de Mãe(2) COMENTÁRIOS

20140731-200113-72073223.jpg
Gente, no outro dia a Nestle me fez um convite super diferente.
Pediu para que eu escrevesse uma carta cuja destinatária seria uma mãe que decidiu continuar a trabalhar após a maternidade.
Escrevi com todo a emoção, e hoje o post saiu e eu descobri que essa mesma mãe escreveu também uma carta para mim. Uma mãe que decidiu abrir mão de tudo para ser mãe em tempo integral.
Ou seja, o blog vida de Mãe arrasou na ideia porque o resultado foi muito emocionante!
Quer ver?
Então acessa
aqui e lê as nossas cartas… de mãe para mãe!

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , ,
28Mai/14

Saudades do meu antigo “eu”

POR: MirelaCATEGORIA: Diversos, Papo de Mãe(9) COMENTÁRIOS

20140528-183036-66636152.jpg

No Domingo à noite sai de carro sozinha para ir buscar o jantar e no meio do caminho começou a tocar uma música que me fez sentir saudades de um passado que nem está tão longe assim mas que parece ter ficado a anos luz de mim.
De repente, senti saudades de um “eu” que não volta nunca mais!
Não mudaria o meu “EU” de hoje, de forma alguma, mas o meu “eu” de ontem, em meio a trancos e barrancos, era um “EU” legal e deixou lembranças tão boas que me faz de vez em quando ter vontade de voltar aquele corpo e reviver emoções e momentos que fiação para sempre guardados no baú do tempo.
Cresci sendo sempre sendo uma menina emocionalmente muito independente.
Era destemida de nascença, muito aventureira, e dentro das minhas dúvidas normais para a idade, julgo ter sabido sempre escolher os caminhos que me proporcionassem cada vez mais conhecimento, me levassem a mais descobertas e assim ganhar novos aprendizados.
Sempre tive sede de aprender mais sobre as coisas da vida e quanto mais aprendia, mais vontade tinha de aprender.
Acho que ter vivido uma juventude de forma livre e destemida me fez chegar ao meu “EU” de hoje.
Aprendi a viver, a conviver, a aceitar, a tolerar e a respeitar sempre o “diferente”. Não que isso faça de mim alguém melhor que ninguém, mas sem duvida isso me fez e faz viver de bem com a vida, com o mundo e com os que nele habitam.
Fui assim também porque os pais sempre me ensinaram a voar alto e nunca cortaram meus voos. Apenas me orientaram e incentivaram a correr sempre atrás dos meus sonhos, a não ter medo do amanhã, a viver o hoje com a mesma intensidade que viveria se este hoje fosse o ultimo, e eu acho que aprendi bem a lição, porque foi assim que eu soube aceitar e abraçar o que o destino me reservou e é por isso que hoje vivo longe das minhas bases, mas sou feliz com novas bases que Deus me deu.
Foi por ter crescido assim que livremente me joguei sem medos no colo de um amor que tinha tudo para dar errado, mas que está até hoje dando muito certo (Saiba como vim parar ao Brasil aqui).
Mas afinal, porque gostaria eu de reviver alguns momentos do passado, se a minha vida seguiu o caminho que eu escolhi, e hoje eu estou exatamente onde sempre quis estar?
Bem, eu sinto saudades da liberdade… Sinto saudades de aventura, do desconhecido.
Sinto saudades daquela Mirela que olhava para a vida de uma forma descontraída, sem pensar muito em consequências, sem pensar em perigos… sem ter panico de morrer ou de perder. Sinto saudades de ter medos tão loucos.
O “problema” é que depois que temos filhos, até mesmo os mais destemidos passam a ter medos absurdos e comigo não foi diferente!
Depois que Matheus nasceu, os holofotes da minha vida se voltaram todos para ele é por ele, os meus objetivos hoje são outros, minhas metas não são mais as de antes, minhas vontades mudaram e com tantos medos eu passei a ser uma nova Mirela.
Ganhei um novo jeito de ser e com isso tive que aprender a saber lidar com o novo “Eu” que passou a habitar em mim.
Depois que fui mãe nunca mais soube o que era voar livremente porque os medos me impedem de fazê-lo. Nunca mais pude sequer pensar em voar sozinha até porque julgo não saber mais o que é ficar só, mas quer saber… Adoro o meu novo jeito “medroso” de ser, adoro o meu novo “EU” porque ele me faz ter os pés mais fincados no chão, me faz ter raízes mais profundas e por isso aprendi a viver de uma forma, digamos que mais intensa.
Aprendi a valorizar o que de fato vale a pena, aprendi a enxergar o mundo com outros olhos… mas isso não me impede de ter saudades dos meus antigos altos voos, nem me impede ter saudades de quando nada além de mim era importante, e quer saber, não me sinto mal por ter saudades do meu “passado”, até porque tenho certeza de que não sou a única.
Vou ficar aqui torcendo para que um dia finalmente inventem a maquina do tempo e eu possa me enfiar nela por pelo menos uma hora e assim reviver e lembrar o que é ter uma vida sem filhos e sem marido e confirmar que, apesar dos altos voos e da liberdade, a minha vida não tinha a graça que tem hoje.

E você? Também aguarda ansiosa pela máquina do tempo para poder voltar por umas horas ao seu antigo “EU”?

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , ,
14Mai/14

Condições necessárias para a constituição psíquica de um bebê.

Os bebês ao nascerem necessitam de certas condições para se constituírem psiquicamente, ou

seja, para se tornarem cidadãos falantes, criativos e desejantes.

A primeira das condições necessárias é que exista LUGAR, para esse bebê, na  vida dos  seus

pais (sejam eles biológicos ou não).

É comum observarmos que antes mesmo da mãe dar à luz ao bebê, ele já pré­existe no desejo

dos  seus  pais.  Muitas  vezes  já  carrega  um  nome,  um  time  e  até  mesmo  características  de

comportamento. É muito mais do que ocupar um quarto e um berço. É ter um lugar na família

que o acolhe. É ter alguém que o interprete em suas necessidades físicas e emocionais. É ter

alguém que o antecipe como sujeito de desejos.

O  filhote  humano  é  o  mais  inacabado  dos  animais.  A  sua  prematuridade  é  impressionante,

depende  absolutamente  de  um  Outro  para  sobreviver.  O  bebê  só  sobrevive  se  receber  os

cuidados de alguém que se ocupe da função materna, humanizando­o com suas palavras, toque,

olhar e, principalmente, significando as experiências vividas.

O  sucesso  do  laço mãe  (ou  cuidador)  e  bebê é  fundamental  para  a  constituição  psíquica  do

bebê.  A  função  materna  vai  sendo  mantida  e  a  relação  reinvestida  à  medida  que  o  bebê

responde positivamente. É muito importante que as pessoas ao redor dessa dupla, ofereçam o

suporte necessário, para assegurar que a função materna  seja desempenhada em toda a  sua

A função  materna  é  aquela  que  traz  a  possibilidade  de  inserção  do  bebê  na  linguagem  e  na

cultura. A partir da figura materna a criança se faz dotada de imagem, podendo ser reconhecida,

inaugurando um sujeito enquanto um vir a ser no mundo.

É preciso estar atento aos sinais de um possível desencontro no laço mãe e bebê, para que uma

intervenção precoce seja a feito a tempo de desencadear patologias psíquicas graves. Existem

situações  que  podem  provocar  um  desencontro  no  laço,  situações  que  provocam  alguma

desorganização nos pais, tais como um parto prematuro, doenças congênitas, malformações, e

do lado materno, depressão pós parto.

Mas,  vocês mamães,  devem  estar  se  perguntando,  como  identificar  sinais  de  que  algo  nesta

relação não  vai bem??! Os principais  sinais a  serem observados  são: ausência de olhar entre

mãe  e  bebê, ausência  de  reposta  do  bebê  ao  outro  e  ausência  do  sorriso  social.  Esses  são

indícios importantes que podem indicar sinais de um possível transtorno psíquico. Recomenda­se

nestes  casos,  o  encaminhamento  a  um  psicanalista,  para  que  uma  intervenção  precoce  seja

realizada a tempo da patologia psíquica se instalar no bebê.

Os fatores acima mencionados são fundamentais para avaliar os três primeiros meses de vida de

um bebê. Outros aspectos também serão fatores essenciais para a constituição psíquica de um

bebê, como o desempenho da função paterna, que será tema do meu próximo texto.

Camila Zanata Beilke CRP 06/46.730

Psicóloga Clínica formada há 10 anos.

Pós­graduanda em Psicanálise e Intervenção em Instituições

Atuação na Saúde Mental Infantil durante 8 anos.

Recentemente mãe da princesa Manuella.

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , ,