9Jan/14

Organizando uma festa – Passo a passo

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Papo de Mãe(0) COMENTÁRIOS

canstockphoto3018599Já faz algum tempo que a mídia vem noticiando o crescimento no mercado de festas infantis. O próprio boom de novos espaços e de novas “febres” de decoração é uma prova disso. A cada ano as festas dos pequenos ganham ares de mega produções e as mamães enlouquecem com as novidades que ganham as prateleiras do mercado. Muitos agendamentos de festas acontecem com até um ano de antecedência e o planejamento é feito nos mínimos detalhes, muitas vezes, por profissionais contratados exclusivamente para pensar na festa, da mesma forma que acontece nos grandes casamentos.

Mas deixando um pouco de lado toda essa agitação vamos para a parte prática: De verdade, com quanto tempo de antecedência devemos começar a organizar uma festa infantil?  Essa resposta não é única, pois tudo vai depender da data que você pensa em comemorar. Se você deseja uma data específica e não abre mão de fazer a festa nesse dia o ideal é que faça a reserva com, pelo menos, 6 meses de antecedência. Se esse dia que você deseja vai cair no final de semana, então a reserva pode sim chegar a um ano antes da data pretendida. Apesar do aumento de festas infantis durante a semana, a procura pelas sextas, sábados e domingos ainda é prioridade na maioria dos casos.

Definida a data podemos começar a pensar no planejamento da festa. O primeiro passo para se começar a organizar uma festa infantil é definir o estilo da festa e a quantidade de pessoas. Quando falo estilo da festa é porque hoje em dia as possibilidades de formas de decoração são bem variadas:

– A mesa decorada, por exemplo, é uma das decorações mais tradicionais. Não ocupa muito espaço e consegue compor o ambiente de forma simples, mas funcional.

– O cenário é uma decoração mais ampla. Normalmente os personagens são grandes, muitas vezes, maiores que as crianças. Nesse estilo de decoração as crianças têm a possibilidade de circular pelo cenário e entrar no mundo da fantasia. Nesse estilo de decoração uma observação é muito importante: a quantidade de pessoas. Os cenários tendem a ocupar um espaço maior de decoração e, por isso, a área para os convidados fica mais reduzida.

– A decoração personalizada é a grande “febre” do momento. E eu não estou falando apenas de “decoração provençal” como muitos falam por aí. A decoração personalizada nada mais é do que ambientar a festa de forma única, de acordo com o tema proposto. Essas decorações podem ser inusitadas, simples ou cheia de detalhes. A diferença é que com esse estilo de festa você consegue montar qualquer tema, desde os mais tradicionais até os mais criativos. Essa também é a opção mais democrática de decoração, pois pode ser pequena e simples até uma grande produção, muitas vezes demandando um investimento que pode sim ser comparado com um casamento de pequeno porte.

Muitas mães, principalmente as de “primeira viagem”, ficam um pouco perdidas diante de todas as possibilidades. Por isso a dica que sempre dou as nossas clientes é definir o tema ou, os possíveis temas, e conversar com quem vai fazer a decoração. Dessa forma fica mais fácil orientar e pensar nas opções para o tema. Hoje nós temos uma grande quantidade de bons decoradores e, normalmente, os buffets orientam e indicam a escolha desses profissionais.

Com a data, quantidade de convidados e estilo de decoração definidos chegou a hora dos detalhes:

1) Convite – É o primeiro impacto da festa. Na minha opinião, o convite diz muito sobre a festa e um convite personalizado, mesmo que seja simples, já é o primeiro indício que aquela festa foi pensada e organizada com todos os detalhes. Muitas mamães utilizam o convite que o buffet entrega, mas mesmo esses convites podem ser personalizados de forma única, agregando ao convite padrão um adereço ou detalhe que tenha a ver com a sua festa.

2) Lembrancinhas – Hoje existe uma grande tendência da opção por lembrancinhas úteis e funcionais e não apenas aqueles saquinhos com guloseimas tradicionalmente utilizado nas festas infantis. Inclusive, uma grande parte das mães já não considera colocar os bombons na lembrancinha, deixando essas guloseimas apenas para a hora da festa. Eu gosto sempre da opção que combina com o tema da festa. Pode ser algo educativo, útil ou apenas para continuar a brincadeira em casa. Uma boa opção para substituir os doces seria colocar lanchinhos mais nutritivos, como cereal, biscoitos, bolachas, sucos, achocolatados, etc.

Além da tradicional lembrança para as crianças, algumas festas possuem também as lembranças para as mamães, como forma de agradecimento por estar presente ali. Pode ser algo útil ou até algum doce, muito apreciado pela maioria das mães que, no dia seguinte, fica lembrando com água na boca os docinhos servidos na festa.

A novidade aqui fica por conta das lembrancinhas para as babás. É isso mesmo, até as babás têm saído das festas com algo pensado para elas. Normalmente são sacolinhas com alguns itens de gula personalizados, os mesmos que compõem a mesa.

3) Foto e Filmagem – É claro que uma festa pensada e organizada com tanto carinho não pode ficar sem registro, por isso esse item é importantíssimo e tem que ser reservado tão logo se defina a data, hora e local da festa. Para a escolha desse profissional o melhor é ver alguns trabalhos feitos por ele e até conversar com algumas pessoas que já utilizaram os serviços. A empatia e a disposição são duas características muito importantes nesse tipo de profissional e devem ser observadas com cuidado. Uma pessoa que se predispõe a fotografar e/ou filmar uma criança não pode depender, por exemplo, das poses dessa criança. Além disso, esse profissional tem que estar disposto a correr, pular, entrar em brinquedo e até rolar no chão, tudo em busca das melhores imagens.

4) Bebida Alcoólica – Essa é outra grande dúvida das mamães, servir ou não servir bebida alcoólica na festa. Aqui vale o bom senso. Sempre digo aos clientes que isso vai depender do estilo da família. Se a família não bebe, o mais natural é não servir bebida alcoólica, mesmo que a maioria dos convidados beba. Mas se a família tradicionalmente serve bebidas nas comemorações não vejo problema nenhum em servir para comemorar o aniversário do filho. Claro que precisa observar que é uma festa de criança, por isso o objetivo não é virar uma farra de adultos. A bebida alcoólica aqui funciona como um brinde à comemoração, por isso atenção na quantidade e na variedade do que for servir. Minha sugestão é defina no máximo dois tipos de bebida alcoólica, que podem ser a cerveja (ou chopp) e o whisky ou substituir alguma dessas por espumante ou coquetéis. E moderem na quantidade, lembrando que estamos falando de uma festa que vai durar, no máximo, 4 horas. A conta mais apropriada seria 600 ml de cerveja por pessoa, 01 garrafa de whisky para cada 8 pessoas e 01 garrafa de espumante para cada 5 pessoas. No caso de servir dois tipos de bebida essa quantidade varia cerca de 30%.

5) Agradecimento – O final da festa é sempre o momento mais esperado pela mamãe. É a prova que tudo deu certo e a hora que a mãe pode relaxar. Normalmente isso acontece após os Parabéns (cerca de 3 horas após o início da festa). É o momento também que as pessoas começam a se despedir e fazer comentários sobre a festa. Natural que você esteja bem cansada e que fique com a sensação de não ter dado atenção suficiente a todos. Uma boa maneira de mostrar aos seus convidados que você registrou e ficou feliz com a sua presença é enviar um cartão (ou e-mail) de agradecimento. Pode ser algo geral apenas agradecendo a presença dele na festa ou mais personalizado mencionando, inclusive, o presente recebido.

Image9

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , ,
2Out/13

10 coisas que os homens precisam saber depois que a mulher vira mãe

POR: MirelaCATEGORIA: Vida de Casal(90) COMENTÁRIOS

Quando se sai do hospital com um bebê nos braços, todos os pais de primeira viagem tentam encontrar em algum lugar, o manual de instruções para saber manusear aquele bonequinho que acabaram de ganhar, só que infelizmente, esse manual tão desejado não existe,
Enquanto o manual de instruções do bebe é algo obvio, um manual de instruções para o pai aprender a lidar com a “nova” esposa, está longe de ser algo que costuma ser solicitado… Até um determinado momento.

Quando nasce um bebê, nasce junto uma nova mulher. Temos que reconhecer, nunca mais seremos as mesmas! Tudo muda e os nossos maridos geralmente ficam perdidos em meio a tanta mudança.
Vamos então ver a lista das 10 coisas que todos os novos pais deveriam saber antes da nova mãe “chegar”.

Pensando nisso, resolvi fazer uma lista de coisas que todo o marido precisa ler depois que a sua mulher vira mãe:

1. A mulher se sente feia.
Há tantos sentimentos conflitantes sobre como ela se sente naquele momento com o seu corpo, que homem nenhum imagina.
Por um lado, ela realmente acredita que é uma das criaturas mais incríveis do mundo porque gerou um ser humano, mas por outro lado, ela se sente muito mal com o resultado de tudo isso. Complexo eu sei!
Veja só, a barriga (uma das partes do corpo que a mulher mais preza) foi esticada e só Deus sabe como não estourou. Se ganhou estrias então, o caso fica mais grave. Ganhou peso, coisa que mulher nenhuma gosta, e provavelmente, na reta final da gravidez, inchou e ganhou algumas manchas no rosto. Que mulher iria gostar de se sentir marcada e inchada?
O peito é relativo, pois tem mulher que ama ter ficado com mais peito (as que tinham pouco) e tem mulher que ainda teve que levar com uma sobrecarga de peito na coluna, porque já tinha peito demais antes de engravidar.
Como vê a parte física da coisa, muito subtilmente aqui apresentada, é de deixar qualquer mulher deitada numa cama chorando durante um bom tempo seguido.
O que você pode fazer
Nunca deixe de elogiar a sua mulher, no entanto não exagere nos elogios, pois muito provavelmente a sua mulher não é cega e sabe bem o que está acontecendo com o seu corpo.
Quando a elogiar, olhe nos seus olhos. Toque nela, mas toque com carinho. Nunca deixe de olhar de frente para ela. Quando ela lhe perguntar algo sobre o seu corpo, responda a verdade. Se ela tiver acima do peso, diga-lhe que ela logo irá voltar ao normal. Que o seu corpo está assim porque ela lhe deu o maior presente que poderia ter dado, e que isso para você, nesse momento não interessa para nada.

2. A mulher está obcecada pelo bebê
Simples assim.
Embora ela ainda esteja no processo de assimilar tudo o que está acontecendo com a sua vida por conta daquele bebe, e isso faça com que por breves momentos ela tenha crises de choro (o famoso baby blues) pelas mudanças irreversíveis que a sua vida sofreu, ela está completamente obcecada por ele.
O que mais você vai vê-la fazendo, é tirar fotos do bebe para postar nas redes sociais, e o seu assunto não é outro, literalmente senão, O BEBÊ!
O que você pode fazer
Esperar pacientemente que essa fase passe. Essa obcessão faz parte de todo o processo de adaptação. É também o instinto materno falando mais alto. Ela simplesmente não consegue controlar.

3. A mulher está com medo
Tudo é novo, você já sabe disso, mas para ela, esse novo chega a ser aterrorizante. Neste momento, a coisa que ela mais quer é não errar!
É como uma prova de exame.
Ela levou nove meses estudando e se preparando, e agora chegou a hora da verdade. Ela está sendo avaliada por ela mesma, antes de tudo e todos e se cobra o tempo todo. Se permitir errar está fora de questão. A ajudar a isso, tem todo um mundo de gente opinando e querendo ajudar, o que para ela é bom, mas é sufocante. Principalmente pessoas que ela tenha uma relação delicada (geralmente a sogra). A presença de pessoas de certa forma a intimida, e a deixa mais estressada.
O que você pode fazer
Jogar em cara que tudo isso é hormonal simplesmente não vai ajudar… aliás, vai piorar! Não seja mais um peso, mais um analisando, cobrando e julgando. Saiba que ela está dando o melhor que pode e sabe dar e precisa do seu apoio, do seu carinho e compreensão.
Por muito que você não esteja entendendo o que está acontecendo, e ache tudo aquilo louco demais, mais uma vez, saiba que faz parte e vai passar.
Tente passar-lhe confiança. Diga-lhe que errar é normal, e que o que importa realmente é que vocês estão juntos nessa e você tem certeza que ela está sendo a melhor mãe que você poderia ter escolhido para o seu filho. E não esqueça, diga isso sempre olhando nos olhos e sempre que puder toque nela com carinho. Um abraço nessas horas e poucas, mas boas palavras ajudam bastante.

4. A mulher está sempre na defensiva
Imagine como fica a cabeça desta mulher. Todo o mundo tem um pitaco pra dar. A sua mãe acha que ela deve voltar logo ao trabalho, a sua tia acha que ela não está amamentando direito, a amiga que teve filho 5 semanas antes sempre querendo dar uma opinião por ter “mais experiência”, sua sogra querendo ser também mãe do bebe… não é nada fácil e a defesa é ficar na defensiva.
O que você pode fazer
Fique do lado dela rsrs é o melhor a fazer. Quando ela tiver calma, ai você sutilmente mostre que estão tentando ajuda-la e que ela não precisa estar tanto na defensiva, mas faça isso quando o terreno estiver seguro. rsrs

5. A mulher não pode ficar braba com o bebê.
Logicamente, a nova mamãe sabe que o grande culpado por ela não dormir, não se cuidar, não conseguir sequer socializar, é o bebê, mas ela não “descontar” nele a sua raiva, ele é apenas um bebê e ela sabe disso! Então quem está mais próximo costuma pagar por tudo e por nada.
O que você pode fazer
Infelizmente o conselho que tenho a dar não é algo que o vá agradar muito rsrs, mas é o único que sei que vai funcionar de verdade. Seja um saco de pancada, pelo seu filho e pela sanidade mental da sua mulher rsrs Essa fase também passa. Tente descontar fazendo exercício, por exemplo, ajuda bastante.

6. A mulher não tem nada pra vestir.
Este ponto é mais frustração que tristeza. A mulher estava farta de vestir roupas de gravida, que geralmente não costuma ter muita variedade e tira um pouco do glamour feminino. Acaba de ter bebe e nem as suas roupas pré mamães lhe ficam bem, nem as roupas do seu guarda roupa pré gestação lhe servem ainda. E pra piorar, ela se recusa a comprar roupa pois na cabeça dela, logo ela voltará ao normal.
O que você pode fazer
De fato, não tem muito a fazer. Você elogia-la como mãe talvez desviea atenção dela. Estimule-a a fazer uma boa alimentação, a tomar muita agua e a amamentar o bebe, pois a amamentação é o que vai faze-la emagrecer muito rápido.

7. A mulher precisa de proteção.
Acho que as mulheres sempre querem que seus homens sejam seus protetores, mas acho que essa necessidade vai muito além quando ela se torna mãe. Ela precisa que você seja a barreira entre ela e o mundo exterior.
Se ela não estiver disposta a receber convidados, ela precisa que seja você a negar essa visita por exemplo. Coisas que antes ela resolvia, neste momento ela precisa que seja você a resolver.
O que você pode fazer
Para o caso de acontecer algum imprevisto que a deixe mais tensa, o ideal é ela escutar da sua boca:
Deixa que eu resolvo isso!

8. A mulher precisa de permissão para descansar.
A maioria das mulheres vai para a maternidade realmente acreditando que podem fazer tudo. Que todas as outras mães com casas sujas e bebês irritadiços estavam fazendo algo errado.
O complexo dom maternidade leva ao esgotamento rapidinho. A pior parte é que a maioria das mães se recusam a admitir que chegaram no limite. “Dê-lhe permissão” para que a sua mulher descanse. Saliente que ela precisa tirar um cochilo ou assistir um pouco televisão para relaxar sempre que o bebê dormir. Se ela tentar argumentar, lembre-a de que você a está simplesmente protegendo… de si mesma.

9. A mulher precisa que lhe perguntem se ela precisa de alguma coisa.
Estou falando isso porque eu já fui mãe e sei o quanto isso é importante. As pessoas podem ter tido experiências com outras mamães e tal, mas cada mãe tem o seu ritmo e jeito de ser, e ela gostará mais se lhe perguntarem do que ela realmente está precisando do que invadam “a sua vida” sem perguntar.

10. A mulher te ama.
Ela adora ver que você também se tornou pai. Ela adora ouvir da sua boca como esse novo ser humano está mudando você. Ela adora que o pequeno ser humano tem as suas orelhas e pés. Pode não parecer lógico, mas cada vez que você se relacionar com aquele bebezinho, estará se ligando cada vez mais a ela. Ver você se transformar num paizão na primeira fila do filme da vida dela, não tem preço e acredite, em 6-8 semanas as coisas começam a melhorar.

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , ,
20Set/13

No casamento, aparência pode não significar nada

POR: MirelaCATEGORIA: Vida de Casal(32) COMENTÁRIOS

Este é um tema que faz teeempo que eu quero vir conversar com vocês aqui!

Mas antes de mais, quero dizer que, FELIZMENTE nem todas se vão identificar com este texto, e talvez não acreditem, nem concordem com o que eu vou falar a seguir, mas eu tenho certeza que muitas mais do que eu mesma imagino, vão se identificar e compreender perfeitamente.

Lanço vários temas no instagram, para as mamães ficarem conversando entre si, partilhando experiências e compartilhando dicas, e sem duvida, o tema que mais faz as mamães falarem é casamento.

Parece que quando abro portas para o desabafo, sutilmente uma comenta, depois outra comenta também, e quando vejo já está o post cheio de comentários, quase conversa de comadre sabe?

Mas eu do lado de fora e do lado de dentro, sempre consigo observar coisas que provavelmente muitas de vocês também observam e nunca  falam (também nunca abri portas pra que falassem).

Sempre tem umas mães, que dão a sensação de terem tido a benção de receber o marido perfeito! Sabe como é?

O marido que ajuda sem reclamar? Que sabe cuidar? Que compreende, apoia, participa de tudo? Aquele que é companheiro, amigão, que não briga com nada, e para ele tudo está sempre bem, contando que a mulher esteja feliz…Um marido que simplesmente não dá trabalho nenhum! Sabe?

Pois é, eu vou confessar para vocês:

Eu duvido que esse marido seja só qualidades. Todos os maridos tem qualidades E defeitos.

Tenho certeza que muitas se sentem frustradas e infelizes, porque o marido não está sendo como ela sonhou um dia que ele viesse a ser, e quando lê outra mulher contar que existem outros maridos que se revelam "aparentemente" melhores  que o dela,  aí é que a frustração bate de verdade.

Gente, olha só, vocês já ouviram falar daquela historia de que no facebook todo o mundo parece feliz? Então… isso é a mais pura das verdades!!!

Infelizmente, a grande maioria dos homens da nossa sociedade não foi criado como nós gostaríamos ou achávamos que ele tivesse sido, e provavelmente, nós, mães de filhos homens, também podemos errar nessa educação, e transformar nossos filhos na réplica dos nossos maridos.

Vou falar por mim tá?

Eu comecei por ver esses comentários de mulheres com maridos “perfeitos” e a ficar chateada! Cada vez que via um comentário desses, a tendência era cobrar mais do meu marido, que até ali, estava tentando ajudar o mais que conseguia, só que o nível do meu stress, normal para uma mulher que havia acabado de ter um filho, estava alto demais e me impedia de ver isso!

Então, o fato de ver outras pessoas tendo o que naquele exato momento eu estava precisando, me deixava irritada, exigente e frustrada.

Fechava os olhos para as outras milhares de qualidades que o meu marido tinha e tem, e focava apenas no que eu queria que ele tivesse naquele momento, e que estava longe de ter. Nossa como isso era frustrante, stressante e desgastante!

Daí, um dia um casal, que eu admirava demais, que achava o exemplo dos exemplos como casal, e que havia acabado de ter um filho lindo, separou-se! Simples assim! Separou-se… Nossa como aquilo foi para mim um soco no estomago!

Mas acho que deve ter sido culpa da lua, porque depois desse, mais uns 3 se separaram. Casais que eu achava que tinham tudo o que na minha cabeça era essencial para o bom funcionamento de um casamento. O ultimo deles, foi para mim a maior surpresa! Casal lindo, família, vida, historia, tudo lindo, e do nada…  um final triste demais!

Sabe o que tudo isso me fez pensar?

Que o meu casamento, com todos os erros e acertos, todas as brigas e os desentendimentos, com todos os defeitos um do outro… o meu era o único casamento que eu deveria olhar, e acreditar que era exatamente o que me fazia e faz feliz! Eu só não estava conseguindo valorizar o que de fato valia a pena!

Se eu mudaria algumas coisas no meu marido? Lógico que sim, senão também não tinha graça, mas não mudaria a essência dele.

Passamos por crises? Ô se passamos! Principalmente depois que Matheus nasceu! Hoje brincamos um com o outro dizendo que sobrevivemos quase que por milagre, mas que foi super importante passarmos por tudo o que passamos, pois reforçou demais os nossos laços.

Foi desgastante demais. Eu queria porque queria que ele me ajudasse em coisas que ele simplesmente não tinha o menor jeito. Eu queria que ele se transformasse em alguém que eu, no fundo, sabia não ser o meu marido, e não conseguia enxergar que tudo o que estava acontecendo naquele momento, não era culpa dele, e sim “culpa” de uma nova fase da nossa vida, que como todas, precisam de um tempo para se ajustar e adaptar ao “novo”.

Vejo tantas mães reclamando… e tenho certeza que viajam nos pensamentos quando leem os comentários das “sortudas” de plantão que casaram com os “príncipes encantados”… Consigo até vê-las, fervendo de raiva porque davam tudo  naquele preciso momento, para ter o dom de transformar pessoas sem ter que se chatear, neste caso o marido, apenas com o estalar de um dedo.

Gente… dentro de 4 paredes, TODOS, todos mesmo temos os nossos problemas, e acredite, eu não estou com esta conversa, perdoando "os maridos" menos participativos. Eu estou apenas tentando mostrar para vocês, que muitos, muitos casais mesmo, passam por essa fase, só que alguns não conseguem ultrapassar porque se focam nos defeitos, esquecem as qualidades e começam a se cobrar o tempo todo… e não ha casamento que resista a tanta cobrança. 

O seu marido não está te ajudando como você precisava que ele estivesse? Você já tentou de tudo mas não conseguiu fazer com que ele mudasse? Esquece… Começa a lembrar porquê você casou com e saiba que, o fato dele cuidar mais ou menos do seu filho, não faz dele melhor ou pior pai! Tem pai que nunca trocou uma fralda, nunca acordou de noite para ajudar a mãe, mas com certeza tem outras qualidades como pai que você, se ainda não descobriu, vai descobrir em breve, quando o seu filho tiver um pouco maior e socializando mais. Essa primeira fase do bebê é mais para a mãe do que para o pai, e nem todos os pais sabem lidar com ela.

Uns tem problemas com umas coisas, outros com outros, e acreditem “o meu problema vai ser sempre pior e maior que o teu… simplesmente porque é O MEU problema!”

O problema, é que nem todo o mundo mostra isso e você fica fazendo novelas na sua cabeça, que só te vão fazer ficar pior do que você já está… mas tudo por culpa de quem? Do seu cérebro que insiste em fazer um conto de fadas de 10 mil páginas apenas com uma simples fotografia ou com um simples comentário.

Lembre-se sempre disto:

Fora de casa todo o mundo parece ser sempre feliz! Você já viu alguém “normal” querer mostrar ao mundo que tem o pior casamento de todos?

Vivemos numa era terrível… onde todos querem ostentar qualquer coisa… nem que esse algo que não seja verdadeiro, e isso faz com que, aquilo que temos pareça pouco para o que achamos que gostaríamos de ter.

Nós NÃO queremos aquilo que os outros têm… tenho certeza que se tivéssemos o que os outros têm, teríamos novos problemas, e quem sabe seriam bem piores problemas do que temos “hoje”.

Mas prometo que em breve escrevo um post para os pais… vou TENTAR fazer com que eles entendam o que tanto precisamos e eles tanta dificuldade encontram para entender e nos dar… 

Mas temos que admitir… parece fácil lidar com mulher, mas não é assim tanto! Somos complicadas por natureza.

Por hora, vale a pena pensar no que vos falei!

E dica: Quanto mais você cobra, mais eles tendem a se afastar e a fazer pior… é a natureza deles. 

Existem outras maneiras de tentar "ensina-los" a ser o que estamos precisando que eles sejam.

Não adianta você ler no comentário de alguém "eu eduquei ele a ajudar-me logo desde o começo" tal como se fosse uma mãe educando seu filho, porque para o marido dela funcionou, mas para o seu pode surtir efeito totalmente contrario viu?

Não brigue de cabeça quente, nem diga coisas que mais tarde possam fazer voce se arrepender. 

Quer um truque?

Quando tiver com vontade de brigar com o marido, encha a boca de agua e só engula quando se sentir mais calma! 

A água vai ocupar a sua boca e por incrivel que pareça, distrair a sua mente.

Quando se sentir mais tranquila, engula a agua, respira fundo, segura na mão de Deus e vai! 

 

 

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
10Jun/13

Dicas para nao acabar com o casamento após o nascimento dos filhos.

POR: MirelaCATEGORIA: Vida de Casal(9) COMENTÁRIOS

k

Com o nascimento dos filhos, uma quantidade enorme de coisas muda entre o casal. Não é raro o casamento que termina após o nascimento dos filhos, infelizmente.

São cobranças que antes não existiam.

A mulher tende a se focar apenas no filho e o homem muitas vezes não entende, não ajuda e não participa. De uma forma geral, é assim!

Tem muito pai que adora participar, que faz questão de ajudar, mas tem muitoooos outros que não foram educados para isso, e não tem esse "toque" na veia. ´No geral, é em casamentos com homens assim que costumam haver mais brigas e desajustes após o nascimento dos pequenos. De certa forma estou culpando os homens como o principal motivo do desajuste, mas calma gente, não é bem isso que quero dizer. Cada um tem razão à sua maneira. Ela é sobrecarregada de novas obrigações, ele é jogado para trás e quase que esquecido. Ela não se cuida porque não tem tempo, ele não entende e não gosta do que vê. Ela chora, chora e cobra atenção, ele tenta mas não consegue, não foi programado para isso…Não sabe lidar com isso… e é ai que tudo o que foi construído durante anos pode ser jogado por agua abaixo.

Um filho tão programado, tão desejado por duas pessoas que se amam terminou sendo um muro entre o casal.

E aí? Alguém está se reconhecendo aqui? Pois é, por aqui não foi diferente.

Brigamos? Brigamos muitooo, teve dias que eu tinha vontade de matar o meu marido enquanto ele dormia kkkk mas sempre tentamos ouvir um ao outro e sabíamos que era apenas um momento. Era o momento do Matheus. Quando me dei conta do que estava acontecendo, mudei um pouco a forma como estava agindo. Comecei a cuidar dele como antes fazia, ele começou a entender que eu também precisava de atenção e por ai foi.

Hoje Matheus tem um 1 e 3 meses e finalmente o nosso casamento voltou a entrar na linha que estava antes do pequeno nascer. Teve hora que eu, de verdade, achei que não iria conseguir colocar tudo de volta nos eixos. Mas com calma e paciência, hoje voltamos a ser o casal que fomos um dia, e o nosso filho nos une ainda mais e nos faz ver que tudo valeu a pena. (tou até querendo já o próximo rs)

Meu conselho para as mulheres? Mude a sua forma de cobrar ajuda.

As vezes estamos tão exaustas que não reparamos o quanto estamos fazendo a vida do marido num inferno porque queremos que alguém pague pelo nosso cansaço. Você não vai conseguir mudar o seu marido do dia para a noite e quanto mais você exigir, menos vai conseguir. Homem é de Marte, mulher é de Venus lembram gente? Isso é pura verdade. São raros os homens que vão ser exatamente o que sonhámos um dia e tudo isso de certa forma, por influencia dos contos de fadas e romances que assistiamos na TV quando éramos crianças. A realidade é esta que estamos vivendo, e ela se olharmos com outros olhos, pode ser muito melhor do que o esperado. Basta usar-mos as nossas armas femininas.

No outro dia falei isso no instagram e alguém disse que vivemos no século XXI, que isso é pensamento ultrapassado, mas eu não concordo. Sei que a grande maioria dos homens se perde após o nascimento do filho. Homem é tratado desde que nasce com todo o cuidado exagerado da mãe, não lhe costuma ser exigido que façam a cama, lavem a loiça, ajudem nas lides domésticas, até porque aqui no Brasil a cultura da empregada doméstica e da babá é algo muito forte, dai ainda dificulta mais tudo isso. Se bem que tudo isso vai mudar muito mais rápido do que imaginavam com essa nova lei das domésticas, mas esse é outro assunto que já falei aqui. Mas já ouviram dizer que homem procura numa mulher "a mãe"? Isso não deixa de ser verdade! Ele quer continuar a ser tratado como a mãe o tratava, e quando um filho nasce, ele de certa forma é colocado de lado.

Entendam, eu acho que nós mulheres somos quem tem que direcionar para onde queremos que o barco siga. Não quero dizer que temos que nos acabar mais para conseguir aguentar casa, marido, filhos e ainda todo o mundo feminino da nossa vida. Quero sim dizer, que com a nossa sabedoria feminina podemos com jeitinho levar as coisas por um melhor caminho e eu tenho certeza que no fundo cada uma sabe qual é ele.

Aguentem firmes porque tudo passa, e quando passar fica melhor com que estava! Acreditem!

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , ,
28Jan/13

Educando meninos e meninas para um novo mundo

POR: MirelaCATEGORIA: Diversos, Educação, Papo de Mãe(9) COMENTÁRIOS

toy

 

Faz tempo que venho pensando sobre este assunto.

Acho que antes mesmo de ter tido o Matheus, eu já revia conceitos de educação, e já pensava como poderia fazer para que ele fosse educado para viver confortável na nova sociedade em que vivemos.

Para quem não sabe, sou Portuguesa, moro aqui só há 4 anos (um dia conto minha história), e em Portugal não temos empregadas para nada. Desde pequenas, somos ensinadas a fazer tudo para que futuramente possamos cuidar do nosso lar sozinhas.

Coincidentemente quando engravidei, 3 primas minhas engravidaram também. Todas moram lá, só eu moro aqui e por esse motivo, só eu tenho o privilégio de ter uma empregada que me ajuda com as coisas da casa enquanto eu posso cuidar do Matheus, enquanto elas lá tem que se virar sozinhas com tudo.

Uma delas, tem um menino de 5 anos, e cuida da casa, do marido, dos 2 filhos e ainda trabalha, tudo sozinha! Como??? Vocês perguntam! Nem eu sei. Sei que cedo os meninos foram para a escolinha, onde ficam o dia todo e quando ela sai do trabalho, vai busca-los, chega em casa e o marido é obrigado a ficar com os filhos para que ela possa cuidar do jantar (quando está disposto).

Final de semana, os pequenos ficam brincando enquanto ela, ás prestações, arruma a casa, passa a ferro, arruma roupa, etc etc etc… tudo isso, porque uma empregada domestica lá, para fazer o que as daqui fazem, custa uns 50 euros a hora (uns 140 reais), dormir então, é algo impensável. (nem adianta pensar em ir pra lá ser empregada domestica, porque o povo tá todo liso por causa da crise  rsrss)

Custa até a imaginar que um dia será igual por aqui né?

Mas essa realidade vai chegar, infeliz ou felizmente, depende do ponto de vista.

No outro dia, coloquei no instagram um post sobre casamento e reparei que a maior parte das brigas de casal depois que nascem os filhos, surge porque o marido ajuda pouco, ou não ajuda e a mulher é carregada de obrigações. Chegaram a questionar porque para a mulher tudo é obrigação e para o homem é ajuda. Quase uma pergunta retórica não é?

Pois é, antigamente, o homem trabalhava, a mulher cuidava da casa, criava os filhos e ainda paparicava o marido e assim as tarefas de certa forma eram divididas. Machismo também reinava, sejamos realistas rsrs, mas hoje cada vez mais, machismo (em exagero) é feio, esta fora de moda e é até deselegante,

Nos dias de hoje, a mulher trabalha tanto quanto o homem, tem um papel bastante ativo na sociedade mas continua a ter que cuidar da casa, dos filhos e do marido, fora todas as outras responsabilidades. Isso porque os nossos maridos foram criados para ser desse mesmo jeito!

Na cabeça deles, a sua obrigação é cumprida na perfeição, colocando dinheiro em casa e não deixando faltar nada pra ninguém. Eles não foram programados a nos "ajudar", nem a dividir tarefas e quando exigimos deles, é quase inevitável que surja a briga. Mas porque só agora, depois que os filhos nascem é que as coisas pioram?

Porque antes não exigíamos tanto. Digo mesmo que quase não exigíamos  Antes eles eram os nossos "bebês". Como mulheres, somos programadas a "cuidar", e até os filhos nascerem, cuidávamos deles quase como filhos. Por isso se diz que o homem sempre procura uma mulher semelhante a mãe. Ele inconscientemente faz um tipo de troca. (A maioria, tá gente, homens que tiveram boas mães e isso está provado rs)

Então mamães, cabe a nós rever conceito de educação, retirar essa educação patriarcal incutida na nossa sociedade, e ensinar os nossos filhos a ajudar  no que for preciso.

Isso não vai fazer deles menos meninos, muito pelo contrario, isso vai fazer deles, futuramente, grandes homens!

Hoje em dia, contam-se pelos dedos, quantos são os maridos que ajudam a arrumar uma casa, que arrumam a roupa, que cuidem sozinhos de um  bebe para que a mãe possa descansar. Está cada vez melhor, mas ainda está longe de ser regra geral.

Não estamos aqui a querer que o homem faça todo o papel que a mulher sabe fazer, mas gostaríamos de não ser tão sob carregadas. Que houvesse uma maior parceria, onde ambos soubessem dividir tarefas para que todos vivam em paz.

Casamento é uma parceria, e se cada um rema para o seu lado, ninguém chega a lado nenhum, ou melhor, chega… a um "belo" divorcio!

Então diretas ao ponto, onde podemos mudar?

Podemos ensinar os nossos filhotes a fazer uma cama quando se levantam.

Podemos brincar com eles de fazer comida, fazendo um bolo, ensinar a que levantem o seu prato ou toda a mesa.

Quando estivermos a limpar a casa, pedir que nos ajudem, dando um pano e ensinando a limpar o pó e isso não é vez por outra, é fazer disso um hábito, fazer disso, uma regra.

Parece absurdo? Talvez para os dias de hoje sim, mas tenha certeza que não para os dias de amanha.

Costumo dar este exemplo:

Quantas de vocês tiveram dificuldades em arrumar uma empregada ou uma babá? Se não tiveram, com certeza já ouviram alguma amiga reclamar do quanto está difícil  isso porque as pessoas cada vez menos se querem sujeitar a esse trabalho. Preferem estudar e enquanto isso trabalhar em lojas do que limpar a casa dos outros.  Sentem-se explorados e cada vez mais querem lutar por uma vida melhor, então a tendencia é a que as "fadas do lar" sumam. As que quiserem seguir essa "carreira" irão cobrar caro, muito caro e nós infelizmente não podemos prever se nossos filhos terão condições suficientes ou não para que possam pagar, a vida dá muitas voltas.

Então mamães, acho que não os vamos estar prejudicando, muito pelo contrario,

No entanto, acho que não é só a educação dos meninos que precisa ser revista, a das meninas também.

Quantas meninas eu não vejo andarem com babás atrás, onde a menina bagunça e a babá arruma? Com meninos também, mas menina necessita de ser mais protegida, gosta de andar mais acompanhada, e ter alguém para brincar, enquanto o menino sabe melhor brincar sozinho.

Isso não é querer paparicar os seus filhos, nem querer o melhor para eles! Fazendo isso estamos prejudicando-os de certa forma quanto ao seu futuro, pelos mesmos motivos acima descrito com relação aos serviços domésticos.

Como eu falei, não vão haver mais secretárias, não vão haver mais babás!

Sei que muitas de nós não tem outra opção, e a babá é algo indispensável, mas ter babá não quer dizer ter uma faz tudo atrás o tempo todo. Uma reciclagem na babá também precisa ser revisto rs, porque as que são boas, são carinhosas e fazem questão de fazer tudo para eles, para que eles estejam felizes e não fiquem magoados com elas. Mas existem varias formas de cuidar bem, e de certa forma, elas também contribuem para a educação deles.

No outro dia, vendo uma menina brincar de boneca, vi quando a boneca fez coco na fralda, (essas bonecas modernas de hoje em dia rs), sabe o que a menina fez?

Pegou na boneca, deu para a sua babá e falou: "Mudar a fralda não é coisa de mãe, quem muda fralda é babá!"

Impressionadas? Pois é, também fiquei! Sei que isso também vem muito do tipo de mãe, mas é mais comum do que pensamos.

Então vale ou não vale repensar na nova forma de educar?

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , ,