24Mar/14

A dor de ver um filho machucado é insuportável

POR: MirelaCATEGORIA: Matheus, Papo de Mãe(74) COMENTÁRIOS

image

Matheus se machucou feio. Muito feio.
Ele tropeçou e quando tentaram segura-lo para ele não cair, ele rodopiou e terminou batendo com a boca num corrimão de ferro.
Eu não estava do lado, só vi quando me chamaram.
Quando eu me virei, Matheus estava lavado de sangue. Era tanto sangue… parecia uma cena de filme de terror.  Senti o meu corpo gelar. Ver o meu filho todo ensaguentado me fiz sentir a dor mais intensa que já senti na vida.
O meu marido que estava mais à frente, correu para pegar nele e quando viu que eu estava em pânico manteve a calma e o levou para o banheiro pra ver  o que tinha realmente acontecido (o meu marido é medico).
Matheus enquando o pai tentava ver a sua boca, chorava de uma forma angustiante e procurava os meus olhos como quem pede socorro. Eu mais atrás me segurava para não desmaiar. A dor que eu estava sentindo era tão aguda que o meu corpo quase não suportou.
Eu olhava para o meu filho e só via sangue,  era tanto sangue que eu não entendia de onde vinha.
Descobriram então que tinha sido o lábio. Com a pancada, o dente dele cortou o lábio. Na boca, qualquer coisa sangra muito mas não foi um cortezinho. Matheus tinha o lábio cortado ao meio. Um corte fundo e quando vi a dor que ja era aguda se intensificou mais ainda e eu tive que me segurar para não cair. Escutei alguém dizer que talvez tivesse que levar pontos e isso me fez desesperar. Graças a Deus, apesar do corte ser grande não precisou.
Na foto vocês conseguem ver o lábio deformado pelo corte. A imagem não ta nitida mais foi de propósito pois não é uma foto bonita de se tirar.

Hoje, depois do susto, conseguimos ver direito o “estrago”. A pancada foi tão forte que o dente dele recuou. O gelo que colocamos ajudou a reduzir o inchaço, mas ainda assim ele esta com o lábio digamos que dividido, mas como foi na parte interna, vai cicatrizar rápido e julgo que sem cicatriz. Mas o dente vai ficar mais recuado com o outro e como é o da frente, vai se notar bastante. Sei que toda a vez que olhar para a boca dele, vou me recordar dessa cena eno meu peito vai doer.

Foi a pior dor que senti na vida!
São 3:40 da manhã e eu não consigo parar de me lembrar da cena dele ensaguentado, chorando e procurando por mim.
Sinto uma culpa imensa por não estar perto dele na hora do acidente… olho para ele dormindo e consigo ver a ferida. Dói de um jeito que não sei nem explicar.
É uma dor como eu nunca havia sentido.
Chega a ser interessante. Mãe consegue sentir muito mais dor quando o filho se machuca do quando o machucado é nela. Coisas de mãe.

Ele está usando uma pomada que forma uma capa protetora e estou deixando ele só de chupeta pra evitar que ele fique mordiscando e passando a língua no corte. Durante o dia fizemos de tudo pra distrai-lo pois ele ficou mais chorão, o que é perfeitamente compreensível. Mas eu nao consigo me sentir melhor.
Não sei se esse “trauma” vai passar, mas estou extremamente melindrosa.  Não quero que ele faça nada que possa se machucar… Fiquei com medo de acontecer mais alguma coisa com ele. E não paro de pensar no quão rápido são essas coisas.
Uma hora o seu filho está bem, na outra ele está machucado sem ninguém nem entender o que aconteceu.  =(
Eu juro que não sou super protetora com Matheus, acho até que estimulo demais ele a ser independente e por isso corro mais risco de ver ele machucado, mas depois desse acidente eu me sinto diferente.
Não sei ainda explicar direito.  Só sei que até na minha cama ele tá dormindo de novo.
Tou querendo ele bem perto de mim para protegê-lo o mais que puder.
Talvez seja efeitos do susto, nao sei.  So sei que não desejo o que estou sentindo a ninguém.
Infelizmente não há muito o que fazer para evitar estas situações. Não temos como ficar o tempo todo em cima deles, nem coloca-los numa redoma de vidro. Acidentes acontecem, mas com filhos pequenos deveria ser proibido. =(

Devo ir agora de manhã com ele à dentista dar uma olhada no dente.  Muito provavelmente ele fez um traumatismo no dente.
Mais tarde conto como correu.

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , ,
16Jan/14

Como ajudar seu filho a dormir em sua caminha – para maiores de 1 ano

POR: MirelaCATEGORIA: Alimentação, Dicas, Diversos, Papo de Mãe(8) COMENTÁRIOS

canstockphoto14766747

Muitas mães, incluindo eu, descobrem cedo que a maternidade nos faz pagar caro pela língua.

Uma das coisas que eu sempre disse que não faria, era colocar meu filho para dormir na minha cama. Quantas de nós não falámos isso antes de termos um filho? Mas quando eles nascem, rapidamente descobrimos o quanto é gostoso ter o nosso amor deitado do nosso lado. Sentir o seu cheirinho a noite toda, dormir abraçadinho, acordar a meio da noite só para ver se ele está respirando e voltar a dormir tranquila com um sorriso nos lábios é algo que não tem preço. Hoje fala-se muito de cama compartilhada e as opiniões se dividem. Muita gente acha importantíssimo para o desenvolvimento emocional da criança e muitas outras acham um absurdo, um perigo e uma invasão à intimidade do casal. Ambas as partes tem razão, mas eu segui o meu coração e dormi muito feliz com Matheus entre mim e o meu marido. Nunca aconteceu nada. Minto, ele caiu uma vez da cama no meio da noite e eu quase morro do coração, mas porque dormindo coloquei ele para mamar no peito que fica do lado de fora da cama e a cama “faltou”. Não aconteceu nada demais graças a Deus (podia ter acontecido) e passei um bom tempo traumatizada com isso, mas ele não deixou de dormir entre nós. O que mudou foi que nunca mais amamentei dormindo. O susto me fez ficar bem desperta durante as mamadas noturnas.

No entanto, com o tempo Matheus foi crescendo e o espaço na cama começou a ficar reduzido para os três. Ele mexia-se muito e quando acordávamos de manhã estávamos todos quebrados, menos ele claro. Com mais ou menos um ano de Matheus, resolvemos que seria a hora dele dormir no seu berço no quarto dele. Achei que ia ser um processo demorado, que ele iria sentir falta e chorar a noite toda, mas não! Ele se adaptou praticamente de uma noite para a outra sem que eu tivesse que fazer todo o processo de adaptação com ele. O processo de adaptação teve que ser comigo e com o pai. Sentíamos falta dele na cama e várias vezes pensamos seriamente em ir pega-lo e voltar a dormir com ele na cama, mas graças a Deus agimos como adultos e conseguimos vencer a vontade.

Matheus que nunca tinha dormido só no quarto dele, que só soube o que era o berço com uns 6/7 meses, dormiu a noite toda logo de primeira. Senti-me abençoada de fato.

Como não tenho experiência nesse processo e recebo muitos pedidos de ajuda de mamães que precisam voltar a ter “espaço” na sua cama, resolvi pesquisar e achei um texto ótimo e com muitas dicas bacanas para facilitar o processo.

Trechos extraídos do capítulo “Moving from the family bed to independent sleep” do livro The no-cry sleep solution for toddlers and preschoolers, de Elizabeth Pantley. Essa tradução foi feita antes do livro Soluções Para Noites sem Choro, para Crianças de 1 a 6 anos ser lançado no Brasil.

Desde sempre, crianças dormem com seus pais. Isso é normal e natural entre os seres humanos e é até comum em alguns países, no entanto, a nossa sociedade é que se foca na independência e isso leva a que muitas pessoas achem raro ou estranho esse ato.

Não é que seja da conta de alguém a forma como deixamos nossos filhos dormir, mas seria bem bacana se a sociedade compreendesse que essa pode ser uma opção natural e até bem popular.

Então, antes de resolver escolher ou mudar a forma como o seu pequeno dorme, responda a essas questões para poder refletir.

-Você, seu marido e seu filho estão dormindo bem?

– Se ninguém mais no mundo soubesse ou se importasse com sua situação, você continuaria do mesmo jeito?

– Você acha que ficaria feliz com a mesma rotina que tem agora em 6 meses? E 1 ano?

– A presença do seu filho em sua cama está interferindo em sua vida íntima ou vocês ainda conseguem várias oportunidades de adequar essas necessidades?

– Se você é pai ou mãe solteira, a presença de seu filho na sua cama está te impedindo de que você faça coisas que quer ou precisa no começo da noite ou de manhãzinha?

– Você está considerando fazer essa mudança porque você quer e é o melhor para sua família, ou é para satisfazer um amigo, parente, pediatra ou outra pessoa?

– Você costumava gostar da presença de seu filho na cama e agora está curtindo menos e menos e está inseguro de como fazer uma mudança?

– Se hoje à noite de repente seu filho começasse a dormir a noite toda em outra cama ou quarto, como você se sentiria: radiante, feliz, um pouco triste, muito triste, ou deprimido?

– O que exatamente o incomoda na presença do seu filho? Ele te acorda? Não consegue ter tempo sozinho com seu parceiro? Está preocupado com que os outros pensam da situação? Você está grávida ou planejando engravidar e não quer a cama cheia de crianças? Explore com carinho as razões para querer fazer uma mudança.

Após ter refletido bem sobre tudo isso, você pode decidir continuar assim por mais alguns meses, ou fazer uma mudança sem pressa, ou fazer uma mudança o mais rápido possível.

Fazendo um plano

Esse plano não é algo que deve ser forçado a acontecer em uma noite ou mesmo uma semana. Se você não tem uma data limite para isso, coloque um objetivo de 1 ou 2 meses, ou até mais, para diminuir a tensão que você sentirá durante o processo.

Outra coisa a se considerar é que não é uma decisão tudo ou nada. Existem vários graus de sono compartilhado, e você pode escolher continuar a dormir com seu filho de noite mas não nas sonecas, ou preferir que ele comece a noite em sua própria cama mas é bem-vindo em sua cama de madrugada ou no comecinho da manhã, ou deixar que ele pegue no sono em sua cama, então transferi-lo para outra cama, ou ainda permitir que a criança durma em seu quarto porém em camas separadas, ou em quarto separado mas é permitido dormir com os pais no caso de pesadelos, ou situações especiais como férias.

O menu de soluções

Leia todas opções e selecione algumas que parecem ser certas para você, e crie um plano personalizado. Siga-o por 1-2 semanas antes de avaliar sua efetividade, porque algumas vezes o comecinho é um desafio (afinal de contas você está fazendo uma mudança e tanto para uma criança que sempre curtiu onde dormia e pode ter feito isso uma grande porcentagem de sua vida, senão a vida toda!)

Algumas crianças aceitarão a idéia de dormirem sozinhas mais facilmente que outras, em qualquer caso, se você escolher o plano certo a transição é possível.

Um pouco por vez

Se você puder, faça a transição em estágios, movendo a criança para própria cama um pouquinho por vez. Para isso arrume outra cama próximo à sua (pode ser colchão, berço, futon, etc). Comece colocando próximo a sua cama, você pode colocar lençóis coloridos, com temas infantis, um pequeno cobertor que parece interessante ao seu filho. Chame de “lugar especial”, e quando chegar a hora de dormir assegure-se que seu filho pegue no sono lá (vá na frente e deite lá com ele, mas assim que ele começar a pegar no sono, continue segurando as mãos ou tocando pés ou sejá lá o que for que estão acostumados a fazer, e vá se distanciando).

Após alguns dias ou semanas assim, quando você tiver certeza que ele está acostumado com sua nova cama, comece a mover um pouquinho distante de sua cama, e finalmente, para seu próprio quarto.

Leia todas as dicas de como ajudar seu filho a pegar no sono sozinho (existe um capítulo dedicado a isso, e se preciso posso traduzir em breve).

– Determine uma hora especial para ele ir para a cama familiar

Você pode querer sugerir horas quando seu filho é bem-vindo em sua cama e horas que incentivá-lo a dormir em sua própria cama. Uma idéia é relacionar isso com a luz do dia: “Quando está claro lá fora, você pode vir para nossa cama. Ou então um rádio relógio que toca musica de manhãzinha quando ele pode visitar sua cama. Deixe claro que só quando a musica tocar ele pode vir. Algumas famílias tem um planejamento em que nos dias de semana eles tem que ficar em suas próprias camas mas são bem-vindos à cama dos pais nos finais de semana.

– Explique quem, o quê, quando e por quê

Essa técnica é unica mas pode funcionar bem com algumas crianças: explique seu plano para elas! Explique porque quer fazer uma mudança (mamãe está acordando muito de noite, está cansada, você poderia me ajudar com isso se dormisse em sua própria caminha. Eu posso ler para você, massagear suas costas, mas então eu vou dormir na minha cama, e você pode vir de manhã para abraçarmos e brincarmos), e como gostaria de fazer.

Isso não é mágica mas envolve seu filho no processo, algumas vezes eles vão se sentir orgulhosos de poder ajudar. Uma boa idéia é incluir algumas escolhás, por exemplo, se ele quer dormir no chão perto da sua cama em outra cama.

Descubra se existe um problema

– Para muitas crianças o único problema é que elas nunca dormiram sozinhas, então é diferente e preocupante para eles, porém para outros, fazer a transição para cama própria pode trazer medos que eles nunca encararam antes. Observe e ouça seu filho atenciosamente, você suspeita que ele está com medo de ficar sozinho no escuro? Ou que existem monstros no quarto, tem pesadelos e ninguém está por perto para confortá-lo? Ele está preocupado com algum evento por vir, como mudança de casa ou nascimento de irmãozinho? Se você for capaz de descobrir algum obstáculo desse tipo e resolvê-los primeiro você poderá guiá-lo a dormir sozinho com confiança.

Faça de seu quarto um lugar especial

Se seu filho já tem um quarto, estava provavelmente sendo usado como quarto de brincadeiras ou algo assim. Mas agora que ele vai dormir lá, pode ajudar fazer uma re-decoração e criação de um ambiente mais convidativo ao sono. Você pode comprar lençóis, cortinas, decoração de parede, etc, e leve-o junto. O quarto não precisa ser tradicional, se ele está envolvido na decoração poderá ser um bom incentivo a dormir lá. Você pode transformar o quarto numa caverna de dinossauros, garagem de caminhão, casa de macaco, ninho de passarinho, hangar de avião, etc., com um pouco de imaginação. Use um personagem preferido se seu filho tem. Você não precisa gastar uma fortuna com isso, pode usar caixas de papelões, etc.

Um bom candidato para primeira cama é um colchão no chão, pois é seguro e dá à criança liberdade de ir e vir sem perigo de quedas. Você pode instalar protetores laterais se desejar.

Quando tudo estiver pronto, comece a transição. Deite com seu filho na nova cama, mostre-se animado com a mudança. Você pode ficar do lado dele até que ele pegue no sono por 1-2 semanas, e depois vá saindo aos pouquinhos, para beber uma água, ou usar o banheiro, e aumentando o tempo que fica fora do quarto. Ou então sente numa cadeira do lado dele até que ele durma.

O método sorrateiro para pequenos

Se você tem uma criança de 1 ano ou pouco mais, isso pode funcionar. Deixe-a pegar no sono na sua cama como costume, e carregue-a para nova cama. Deixe um monitor ligado e se ela acordar, vá rápido e ponha-a para dormir rapidamente e deixe-a na nova cama. Se você usar essa técnica, pode esperar várias viagens ida e volta para o quartinho, até que a transição seja completa. Algumas crianças vão dormir perìodos maiores de tempo se não tiver ninguém do lado que faz movimentos e o acorda. Por outro lado outras crianças vão acordar mais porque vão sentir falta da companhia que sempre tiveram.

Você pode tentar isso e fazer as transferências até as 3 da manhã, por exemplo, e deixa-lá em sua cama então. E ir aumentando esse horário gradualmente.

Mas como todas idéias em meu livro, isso não é para ser tudo ou nada, mas tem mais chance de funcionar se a criança já gosta da nova cama. Então gaste um bom tempo durante o dia na cama, leia para ela lá, amamente lá se for o caso, faça o que for preciso para que ela se sinta bem confortável no novo ambiente.

Comece com sonecas

Se seu filho nunca dormiu sozinho, comece com as sonecas, e faça o que for possível (use dicas acima) para que ele se sinta mais confortável no novo ambiente.

Crie um novo ritual pré-cama

Crianças são criaturas de hábito. Se você fizer seu ritual normalmente mas esperar que ela finalize a noite dormindo num lugar novo, ela vai ter um susto! Para evitar isso modifique um pouco seu ritual, você pode utilizar um diagrama com fotos da sequência de eventos do ritual (existe um capítulo com dicas de como fazer esse diagrama caso interessar mais tarde posso traduzir tambem).

Vá com ele… por um tempinho

Se você está transferindo seu filho para um novo quarto, pode dormir lá nas primeiras noites para fazer o processo menos assustador. Conforme ele vá se habituando lá, você pode usar a técnica “Já volto”: após o ritual, ponha-a na cama e arrume uma desculpa para sair, diga já volto! E vá aumentando o tempo que fica fora do quarto. Com o tempo você poderá dizer: Volto amanhã de manhã.

Lembre seu filho que você vai estar bem pertinho, no quarto ao lado, e que qualquer coisa pode te chamar, assim ele não ficará com tanto medo de dormir sozinho.

Dê-lhe permissão para te chamar

Se você prefere não ter seu filho como visitante noturno, não incentive-o a vir para sua cama de noite, diga-lhe para te chamar e dê-lhe um sininho se preciso. Ou você pode usar um monitor de duas vias. Quando te chamar, vá rapidamente e ponha-o de volta para dormir. Se ele vier ao seu quarto, traga-o de volta e lembre-o que pode te chamar se precisar. Esse conforto de saber que pode chamar a mamãe ou papai vão ser importantes nessa fase, ele vai saber que não precisa ficar com medo pois vocês estão pertos, e gradualmente essas visitas e chamadas vão diminuindo até que todos durmam a noite toda!

Dê-lhe companhia

Se seu filho sempre dormiu com você ele pode se sentir sozinho no novo quarto. Dê-lhe vários bichos de pelúcia, ou então uma caixinha de música, ou um CD player (tenha um CD relaxante para tocar), ou uma fita com gravação das vozes de papai e mamãe.

Se objetos inanimados não funcionam, tente um animalzinho como tartaruga, aquário, incentive seu filho a fazer companhia ao novo amiguinho de noite. (atenção! Gatos e cachorros não, evite também animais noturnos como hamsters).

Deixe-o acampar…

Se você tem uma tenda e está disposto a montá-la em casa, pode ser um grande incentivo ao seu filho para dormir lá. Ponha uma luz noturna, animais de estimação, e seu filho pode ficar tão animado que vai querer dormir lá! Cuide para que o ambiente seja muito seguro e a temperatura boa.

Dê muita importância a isso… ou não dê importância para isso

Algumas crianças respondem bem a grandes celebrações, se for o caso pegue um dia especial para anunciar a mudança, pode comemorar com bolo, balões, e presentes (relacionados com sono como cobertores ou ursinho de pelúcia).

Já se seu filho é do tipo mais quieto, qualquer sugestão de escolher um dia para isso pode trazer choro. Para essas crianças não mencione a mudança e simplesmente faça-a com passos pequenos e graduais.

Convide a fada da manhã para a sua casa

Crianças ficam muito excitadas com papai Noel, coelhinho da páscoa, etc, então você pode introduzir um novo personagem: a fada da manhã. Compre alguns presentinhos baratos, como animais plásticos, adesivos, etc, e embrulhe-os em papel de presente.

Explique a seu filho que cada noite que ele dormir em sua própria cama ele vai ganhar um presentinho, e se isso acontecer deixe um presentinho em seu quartinho pela manhã. Após algumas semanas desse padrão, a nova rotina vai estar estabelecida. Você pode explicar-lhe que a fada da manhã visita a casa de outras crianças que estão aprendendo a dormir em suas próprias caminhas.

Crie um quarto de dormir com irmãos

Se você tem mais de 1 filho essa ideia pode funcionar. Arranje um quarto para que eles durmam juntos. Enquanto algumas crianças podem não gostar, outras vão adorar dormir com seus irmãos. Para segurança não tente isso antes de seu filho ter 18 meses. 

Tradução: Andréia Mortesen

 

Então boa sorte mamães.

Espero de verdade que dê certo. 

Não esqueçam de comentar e se puderem compartilhar com as suas amigas. 

Além de eu adorar a sua participação, o seu compartilhamento ajuda no crescimento do blog.

Bjooos

Mirela

 

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , ,
14Jan/14

Dicas para conseguir fazer o seu filho dormir mais um pouquinho

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Papo de Mãe(9) COMENTÁRIOS

Oi mamães, tudo bom?

Não me posso queixar do sono de Matheus de forma nenhuma. No outro dia até falei no instagram "criança que dorme cedo acorda cedo. Criança que dorme tarde acorda cedo", mas aqui em casa raramente é assim. 

Eu no instagram, não posto apenas o que acontece aqui em casa rsrs. Coloco também o que acho que vai fazer uma mamãe se identificar e se sentir menos "só" vendo que tem outras mães passando por isso, e esse foi um bom exemplo.

Matheus se dormir tarde, muito provavelmente vai acordar umas 9:30 ou 10 horas o que é muito bom e isso só não acontece quando eu quero de fato que ele durma até essas horas… e quando é isso? Nos fins de semana, claro! hahaha mas eu raramente lido mal com isso. Acho que por dormir bem a semana inteira, termino ficando menos ansiosa para dormir nos finais de semana e o sacrifício de levantar mais cedo termina sendo menor.

O lado ruim disso é que eu fico com muito pouca experiencia para poder ajudar quem me pede. E acreditem, são muitos pedidos de ajuda que chegam por email todos os dias, de mães desesperadas querendo saber como fazer para o seu filho dormir mais tempo. 

Dai resolvi dar uma pesquisada e achei um artigo suuuper interessante. Acho que pode ajudar vocês.

Segue o texto:

 

"É verdade que muitas crianças acordam cedo naturalmente, mas apenas 10% a 15% têm a tendência fisiológica de ser uma cotovia. A grande maioria acorda cedo por razões externas que afetam o seu sono e o horário do seu despertar, e elas podem ser modificadas.”

 

 

Você pode descobrir se seu pequeno é realmente uma cotovia se:

– acorda sozinho alegre e conversador

– é mais ativo e enérgico no final da manhã do que no começo da tarde

– dorme profundamente

– fica cansado após o jantar

– dorme cedo e com facilidade

– acorda cedo independente da hora em que vai dormir

 

Se seu filho se encaixa neste caso, você sem dúvida tem uma cotovia em suas mãos. Ainda assim, é possível espremer um pouco mais de sono na manhã se você fizer algumas mudanças na rotina da criança aplicando as seguintes ideias.

Se o seu madrugador não se encaixa na descrição anterior, aparentemente ele não é uma cotovia de nascença e você terá um bom resultado encorajando-o a acordar mais tarde.

 

Primeiro Passo

 

Uma das razões mais comuns para acordar cedo é simplesmente porque seu filho já dormiu o suficiente! Dê uma olhada na tabela de sono e some as horas do sono da noite do seu filho com as sonecas. Se o seu filho de dois anos está tirando duas horas de soneca e dormindo a noite uma média onze horas de sono. Se ela está indo dormir às 19h, adivinhe o que? Onze horas depois… são 6h! (Lembre-se, muito cedo pode ser definido diferentemente pelas pessoas; muitas pessoas despertam às 5h ou até antes disso, sem considerar como muito cedo).

 

Mesmo que sua criança esteja dormindo menos horas do que o indicado na tabela ela pode ser um daqueles raros casos de crianças que precisam de menos sono que a media. Em ambos os casos você não pode esperar que ela durma mais de manhã simplesmente porque você foi dormir à meia-noite ou porque ficou acordada à noite com o irmãozinho bebê, e ainda esta cansada. (Ah, mas se funcionasse desta forma!). Se este é o caso em sua casa você tem duas opções. Gradualmente mover o horário de dormir em 10 ou 15 minutos até que ela esteja indo dormir uma hora mais tarde e (oxalá) acorde uma hora mais tarde de manhã. Se você já leu a primeira parte deste livro você saberá que dormir cedo é normalmente melhor para criança, e que algumas vezes a mudança no horário de dormir não afetará o horário de despertar, mas certamente você pode experimentar e ver se você consegue achar um meio termo que funcione para vocês dois.

 

A outra opção, é claro, é fazer o seu horário de dormir mais cedo para que assim acordar mais cedo funcione para você. Isto pode ser melhor do que você pensa, uma vez que a maioria das cotovias acordam alegres de manhã e estão de mal humor no final da tarde, assim os horários da família vocês poderão ter mais tempo de alegria juntos.

 

Outras razões para que sua criança esteja acordando cedo

 

Se você somou as horas de sono de seu filho e determinou que excesso de sono não é o que tem feito com que ele acorde cedo, você pode adicionar algumas horas de sono pela manhã. Antes de entrar nas dicas gerais para encorajar um sono mais longo, ajudará se você descobrir o que tem acordado o seu filho cedo, e como determinar essas questões? Aqui estão algumas coisas que podem estar acordando-a:

 

– LUZ: a luz do dia, dos postes de rua, ou as luzes da casa podem ser a causa do despertar.

Solução: Cobrir as janelas, mantendo o quarto escuro.

 

– BARULHO: Algumas crianças despertam facilmente ao ouvir vozes, trânsito, animais de estimação, barulhos na encanação ou vizinhos.

Solução: Use o rádio para sintonizar em uma rádio com música clássica ou um “talk show”, ou uma máquina de barulho branco para mascarar os barulhos externos. Você pode programar o despertador para tocar num volume baixo cerca de uma hora antes do horário que seu filho costuma acordar para que assim os outros barulhos não o despertem. (Não se preocupe, se você está usando um barulho branco ou mantendo o volume baixo isto não a acordará). Outra opção, se você puder, é mudar o local de dormir de seu filho para um quarto mais silencioso.

 

-RAZÕES FISIOLÓGICAS: Talvez a fralda ou calça enxuta ou pijama está molhado ou ela precisa ir ao banheiro.

Solução: Dê menos líquido para o seu filho uma ou duas horas antes de dormir. Antes de dormir visite o penico várias vezes. Use fraldas noturnas. Se ela está acostumada a usar o penico, ensine-a a chegar no banheiro sozinha durante a noite e deixe a luz do corredor acesa. Ela pode não imaginar que é capaz de fazer isso sozinha se ela nunca o fez!

 

– CONFORTO: O cobertor caiu, a temperatura da casa está baixa e ela está com frio, ou a temperatura está alta e ela está com calor.

Solução: Ajuste a temperatura a casa, use ventilador (mantenha-o e seus fios fora do alcance) ou mude o que ela costuma usar para dormir, ou o tipo de cobertores da cama dela.

 

– FOME: O roncado da barriga dela acordou-a. 

Solução: Dê um lanche com pouco açúcar antes de dormir. Deixe um pote com bolachas e um copo d`água próximo à cama.

 

-HÁBITO: Ela tem acordado cedo há bastante tempo e agora o seu relógio biológico desperta naquele horário.

Solução: Gradualmente ajuste o horário de dormir o das sonecas até que esteja dormindo e acordando num horário melhor.

 

-ROTINA DE SONECAS: Ela está cochilando muito cedo, muito tarde, com muita frequência ou demais.

Solução: Reorganize a rotina de sonecas de acordo com as informações no capítulo sobre as questões da soneca.

 

Palavra de mãe: “Eu botei um pedaço de papelão em cima da janela e botei o despertador para tocar música clássica de manhãzinha. Sebastian está dormindo até uma hora mais tarde do que costumava, e não afetou no seu horário de dormir” Candice, mãe de Sebastian (3 anos)

 

Mais dicas para encorajar um sono mais longo

 

Frequentemente uma criança que desperta cedo está fazendo isso por hábito, e pode levar algumas semanas de consistentes mudanças antes de você notar um novo horário de despertar. Seja paciente e use as dicas seguintes em conjunto com a lista anterior e as ideias gerais da primeira parte deste livro:

 

– Aplique os conceitos abrangidos previamente e re-programe o relógio biológico de seu filho. Faça isto mantendo a hora antes de hora de dormir na penumbra, a hora de dormir escura, e o café da manhã claro.

 

– Mantenha o quarto de seu filho escuro durante todas as horas que você quer que ele durma. Use persianas, cortinas, ou até mesmo um pedaço grande de papelão para manter longe as luzes indesejadas. Faça sua rotina pré-sono lendo com a luz mais fraca possível e termine contando histórias no escuro.

– Programe brincadeiras externas no horário da tarde e do início da noite. Quando você não conseguir faze-las externamente, mantenha a área de brincar clara. Você pode querer investir em lâmpadas que emitem uma luminosidade amarela como os raios solares.

 

– Tente tratar o despertar cedo como um despertar da noite e responda a seu filho como você costuma fazer com o despertar noturno. Se as janelas estão cobertas e o quarto escuro o seu filho poderá aceitar que ainda é o meio da noite e não de manhã cedo.

 

– Crianças que acordam cedo, geralmente tiram sonecas cedo, também, tirando o cochilo com uma hora ou duas após acordar. Isto é na verdade o resto do sono noturno! Tente mantê-lo acordado, entre 15 e 30 minutos, a cada dia (no inicio da noite, ou seja, atrasar o horário de dormir a noite) até que atrase em uma ou duas horas do que está agora. Depois de uma semana você verá surgir um novo padrão.

 

– Sirva o café da manhã 30 minutos à uma hora após o despertar do seu filho. Ela pode ter ativado o seu “alerta de fome” para disparar às 6h. Postergando o café da manhã você poderá conseguir reprogramar o horário em que ela sente fome. Se ela não conseguir esperar tanto tempo, tente um pequeno lanche, como algumas bolachas, e atrase o café completo um pouco.

 

– Mantenha constante o horário de dormir e acordar nos sete dias da semana. Mudando-o a cada final de semana irá dificulta-lo a encontrar sucesso em razoáveis horários de despertar durante a semana.

 

O que fazer se a sua cotovia continuar acordando cedo

 

 

Se você tentou essas ideias, durante algumas semanas, mas o seu filho continuou acordando cedo, você pode ter que aceitar que é natural dela despertar cedo e ter que abordar o problema de uma forma diferente. Aqui vão algumas dicas:

 

– Toda noite, depois de seu filho dormir coloque uma caixa de brinquedos perto da cama dela. Alterne os brinquedos de forma que tenha sempre algo interessante e novo na caixa. Diga a ela que quando ela acordar ela dê uma olhada dentro da caixa e pode brincar com tudo que encontrar lá dentro. Seja criativo, mas tenha certeza que os brinquedos são seguros, e é claro, nada barulhento! (se seu filho ainda dorme no berço deixe os brinquedos no final do berço).

 

– Programe o despertador com uma música agradável, no quarto dela, para despertar num horário razoável. Diga a ela que ela não poderá sair do quarto para acordá-lo antes de ouvir a música.

 

– Deixe um copo d’água e um lanche, como bolachas, ao lado da cama para que assim que ela acorde ela tenha algo para comer. 

 

– Grave uma fita com a música ou história favorita de seu filho e mostre para ela como ligar o aparelho. Deixe-a ouvir a fita especial quando ela acordar.

 

– Convide ela para seu quarto, ou sua cama. Diga a ela que se ela acordar pode vir silenciosamente para o se quarto. Deixe-a subir na sua cama e se aconchegar com você, ou crie uma área de descanso com um saco de dormir no chão para ela. Você pode ata criar um forte, usando um cobertor em cima de uma mesinha, e chamá-lo de ninho matutino. Bote alguns brinquedos e livros dentro e veja se ela brinca silenciosamente antes de acorda-lo.

 

– À prova de crianças, â prova de crianças, â prova de crianças! Tenha certeza que a sua casa inteira está segura para o seu madrugador, assim se ela ficar perambulando enquanto você estiver dormindo não se meterá em problemas.

 

– Pratique. Uma vez que você tenha estabelecido algumas ideias para o que você quer que aconteça de manhã, deixe a sua criança mostrar exatamente o que ela vai fazer quando acordar de manhã. Após alguns dias ela vai estar confortavelmente fazendo como você deseja quando ela acordar muito cedo pela manhã, brincando com os seus brinquedos, subindo na cama com você, brincando no seu forte, ou ouvindo as suas músicas.

 

Minha cotovia irá dormir até tarde algum dia?

 

Sim, sua cotovia começará a acordar mais tarde de manhã… quando começar a escola e ela tiver que acordar às 6h!!

 

Frustrante, mas é verdade! Quando as crianças ficam mais velhas muitas delas passam a ser corujas, tendo dificuldades de adormecer num horário razoável, mas dormindo facilmente até a hora do almoço.  "


Este artigo foi extraido do livro The No-Cry Sleep Solution for Toddlers and Preschoolers de Elizabeth Pantley (McGraw-Hill, 2005).

Versão original em inglês:

http://www.pantley.com/elizabeth/content/excerpts/earlybird.htm

Tradução: Ana Katz Schuler


Gostou? Eu achei muito bom!

Não deixe de comentar aqui e compartilhar os posts do De Mãe Para Mamãe nas suas redes sociais. Além de eu adorar a sua participação, você ajuda no crescimento do Blog.

 

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , ,
28Dez/13

Levando o bebê para a praia – Itens indispensáveis

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Papo de Mãe(12) COMENTÁRIOS

image

Bom dia genteeee,

O calor chegou e junto com ele chegaran também as férias e a vontade de levar os pequenos para a praia ou para a piscina, né?

Daí surgem as duvidas sobre o que levar nesse passeio, e pensando nisso  resolvi fazer este post para mostrar para vocês as coisas que não deixo de levar nunca quando levo Matheus para fazer farra na praia ou piscina.

Vou começar pelo que costumamos ter mais dúvidas:

Protetor solar
image

Eu ja testei vários, mas tenho que dizer que o meu favorito desde que Matheus tem uns 9 meses foi o spray da Banana Boat.
Ele é fácil de aplicar, não arde nos olhos e vocês hoje em dia encontram fácil em qualquer supermercado grande.
No entanto, quando levei Matheus à praia pela primeira vez, por orientação da pediatra dele usei o Episol, vocês podem optar também pelo protetor solar da La Roche-Posey ou o Da Mustela.
Dica super importante,  nunca esqueça de passar protetor nas orelhas e na cabeça.  Principalmente se o seu bebê tiver pouco cabelo.

image

image

image

Camiseta com proteção solar
Outra coisa que eu não deixo de levar é a camiseta com proteção solar.
Esses dias eu descobri uma que serve se colete. Como ele anda super afoito na piscina, comprei ele só entra na água com ela.
Serve como colete para quando vamos andar de barco também.
Comprei numa loja em Recife mas vi que tem no mercado livre pelo mesmo preço.  Procurem nas imagens do Google por colete com proteção solar que encontram fácil.
image

Como ela não é muito confortável para ele brincar fora de água, eu sempre levo uma camiseta com proteção solar normal. Vocês encontram fácil em qualquer loja de bikinis. A do Matheus é da carters.
image

Chapéu
Chapéu é indispensável.  Mesmo colocando protetor solar não pode deixar de usar chapéu. 
Para o sol da praia e da piscina eu gosto dos que protegem as orelhas e a nuca.
image

Fraldas
Embora eu use só quando vamos para piscina onde tenham pessoas que não conheço,  eu gosto sempre de andar com uma ou duas fraldas daquelas de piscina.
Elas só servem para a água mesmo. Nao faça como eu. Na primeira vez que usei nele achei que ela segurava o xixi e Matheus fez xixi no colo de um senhor. Essa fralda fora de água nao segura nadinha Kkkkkk
image

image

Toalha
Hoje eu gosto de usar nele um roupão.  Por sinal ele ganhou um lindo agora de Natal da Marca Le Com Crê.
Mas eu sempre usei toalha com capuz. Acho melhor.
image

Sunga
Ele tem várias.  Algumas combinando até com a sunga do pai,  mas as que eu  mais gosto são as da Banho Maria e as da Lê Com Crê.
Essas marcas tem preços super convidativos e modelos lindos tanto para menina como para menino.
Ele tem exatamente essas duas das fotos.

image

Sunga Banho Maria

image

Sunga e touca Lê Com Crê

Tudo isso eu levo na mochila dele da Familia Ovo. É a minha favorita porque é impermeável e térmica.
image

Brinquedos de água e de areia são logicamente bem vindos e olha que super dica  me deram uma vez:
Se o seu filhote usar chupeta, quando ele estiver brincando na areia,  coloque a chupeta na boca dele.  Dessa forma ele nao vai tentar comer areia nem jogar as mãos à boca. =)))

NUNCA ESQUEÇA de levar água e oferecer sempre ao seu pequeno. 

Os melhores horários para o seu bebê tomar sol é de manhãzinha,  até umas nove horas da manhã e no final da tarde.

Boas férias genteeee =)))

Bjos

Mirela

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , , , , , , , , ,
7Out/13

Preparando o quarto do bebê, para o bebê!

POR: MirelaCATEGORIA: Antes, Decoração, Papo de Gestante, Papo de Mãe(10) COMENTÁRIOS

Dentro das muitas coisas que a mulher pensa quando engravida uma das primeiras sem duvida, é o quarto do bebe! Ah como eu sonhei com o quarto do meu filho! No entanto eu acho que fui diferente do “normal”. Não queria nada provençal, nada muito “relaxante” como vejo por ai. Queria algo alegre, com cor, arrojado até. Resumindo, eu não queria um quarto para mim! Queria um quarto para o meu filho!

Muita gente pensa que quarto de bebê tem que ser com tons pastel, algo nada agitado para o bebe não ser estimulado demais e tal. Já eu penso o contrário. O quarto do bebe, para mim tem que ser quarto de criança, com cor, tem que ter o mínimo de estimulo sensório-motor, e ter espaço para novas adaptações!

Pense comigo Se você fosse um bebê, qual dos dois quartos você escolheria?

Quarto A ou B?

imagesQuarto A

486110-Quarto-de-bebê-unissex-dicas-fotos-13  Quarto B

 

Quarto A

Trata-se de uma proposta ousada: um quarto de acordo com os princípios do método Montessori, para criar um ambiente rico e estimulante. Tudo é concebido para o benefício do bebê, não para a conveniência dos adultos. Por isso o chão é forrado com tatame ou tapete e o berço foi substituído por uma cama de chão, além da escolha das cores serem mais atrativas para o bebê.

Pode não parecer prático para logo que o bebê nasce, mas a grande maioria das mães coloca o bebê para dormir os primeiros meses junto de si. Caso queira que o seu beb durma desde logo no seu quarto, pode substituir o colchão no chão por um berço de viagem nos primeiros meses (ou se quiser, no berço comum mesmo) e quando o bebê passar a fase de menos cuidados, guarda o berço de viagem (muito mais fácil de guardar do que um berço de madeira) e substitui por um colchão no chão ou uma cama baixa (como eu fiz aqui). Matheus passou para a cama com um ano e um mês.

Se optar por um colchão no chão, não se esqueça de colocar almofadas em volta e um tapetinho (pode ser e borracha) até que ele se acostume ao espaço que tem e não caia.

Quarto B

É realmente encantador, mas do ponto de vista dos estímulos sensório-motores é um ambiente pobre. O bebê fica o tempo todo encarcerado no berço, e tem sua visão encoberta por protetores acolchoados.

O que o seu pequeno consegue ver quando está no berço? Apenas o teto e a roupa de cama, que ainda por cima, traz tons pastéis (nada estimulantes).

 

Você sabe quanto tempo esse quarto vai ficar com essa decoração e vai valer o que pagou nele? Acho que no máximo uns 4 meses. Porque depois, você já começa a querer comprar brinquedos, começa a procurar tapete para o bebe ficar no chão brincando (se é que já não comprou no enxoval). Dai ele cresce, e num instante, muito mais rápido do que você imagina, ele está sentando e você quer que ele tenha o espaço dele, mas o espaço dele é sem graça, porque não tem “cor” nem espaço, e nessa hora, bate o arrependimento.

Chega a altura que ele começa a querer ficar de pé em tudo que encontra pela frente, quer engatinhar, quer brincar, e você mais que nunca, quer um espaço “clean” de móveis para poder solta-lo sem medos e ele poder ficar num canto e brincar sem se machucar e nessa hora você vai querer um tapete de pvc, e coloca onde? Em principio no quartinho dele, para ele se jogar à vontade no chão, brincar solto, e você poder sentar com ele sem medo de ser feliz. Mas a quantidade de moveis que “recomendam” que compremos é tanta, que você quando vê, não tem espaço para nada. Daí faz o quê? Invade a sala! E assim chega o dia que você se estressa porque sua casa nunca mais soube o que era estar arrumada. Acredite, Matheus brinca muito na sala, mas só enquanto eu estou perto. Quando termina a brincadeira, os brinquedos voltam para o quarto dele e a sala volta a ficar arrumada. Até porque acho que a criança não pode ser confinada a um só lugar da casa, tem que brincar em todos os cantinhos, mas ele tem que saber onde é o SEU cantinho, e sentir-se lá bem!

Todas sabemos que vamos errar e exagerar na gravidez, achando que estamos fazendo tudo certo seguindo o “modelo” que os outros seguiram, mas se pensarmos com mais atenção (e escutarmos a opinião dos maridos que geralmente são mais lógicos que nós kkk) os erros serão muito menos!

Montem o quartinho com simplicidade, mas com alguma cor! Você vai ver que não tem como fugir porque o que não vai faltar por lá é muitaaa cor (é só começarem a entrar os brinquedos).

Evitem comprar cômodas com puxador que o pequeno possa escala-los (Matheus escalou).

Se o quarto for só para o bebê, pense se a cama de apoio é realmente necessária. Se não for, poupe esse espaço que no futuro vai lhe fazer muita falta.

Pense assim: “Se eu fosse bebe como gostaria que meu quarto fosse?”

Fica a dica

Seguem as fotos do quarto do Matheus

IMG_3266

Quarto do Matheus Antes

IMG_9131

Quarto do Matheus Depois (olha a poltrona ali encaixada de maneira que não ocupe espaço. Pense na raiva! E o quarto é relativamente grande)

IMG_9129Detalhe dos puxadores da cômoda que falei.

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , ,
6Jun/13

A arte de saber cortar as unhas do bebê

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Diversos, Papo de Mãe(0) COMENTÁRIOS

jh

Gente, vou confessar aqui, este era o meu maior medo! Quase pânico, e eu tinha motivos para isso, quando a minha irmã nasceu, eu resolvi cortar as unhas dela e arranquei um pedaço do seu dedinho, tive pesadelos com isso e tudo kkkkk e quando Matheus nasceu, eu não cortava as unhas dele nem sob tortura, até que me senti segura para tal e hoje ultrapassei o trauma kkkkk também dei sorte, ele facilita demais o meu trabalho, fica só olhando e nem se mexe, parece que sabe! Sabendo que há mais mamães com o mesmo medo, resolvi colocar o passo a passo.

Não tem como fugir! As mamães precisam se preparar para o corte das unhas dos seus filhotes.

A dica é manter a calma e seguir conselhos de quem entende do assunto.

– Esteja segura para este momento, fique tranquila, não deixe que a criança perceba que você é novata neste caso

– Ache o momento da criança, cada criança tem o seu

– Procure fazer isto durante o dia e em local de muita luminosidade

– Ache um lugar confortável, pegue apetrechos para distrair a criança

– Lave bem as suas mãos

– Tenha um cortador ou tesourinha de ponta arredondada exclusivo para esta função

– Os acessórios para cortar as unhas deverão estar bem limpinhos

– Segure bem firme o pezinho ou a mãozinha e em seguida, pegue com firmeza o dedinho da criança separando-o dos demais

– Concentre-se em um dedo por vez

– Empurre a ponta do dedo para baixo deixando a unha (parte branquinha) mais acessível

– Corte sempre reto, sem mexer nas laterais

– NUNCA cutuque os cantinhos das unhas

– Cuidado para não cortar muito, pois o local incomodará a criança

– Deixe o dedão sempre por último. Pode ser que seja mais complicado

– Se algum acidente acontecer, lave imediatamente o dedinho da criança com água corrente em abundancia e sabão.

E pra piorar o nosso pesadelo, unha de bebe ENCRAVA!!!  "Muitos bebês já nascem com unhas dos pés encravadas e, se não for realizado um corte correto, sofrerão sempre com o problema. Isso acontece porque um pedacinho de unha incrusta na pele aí já viu… Isso acontece porque a pele forma uma barreira ao seu crescimento e, como a unha não para de crescer e é mais dura, ela penetra na pele podendo causar dor e ate inflamação.

Quando não trazem a unha encravada do útero, um momento bastante propício para o aparecimento delas é quando os bebês começam a engatinhar. Aí é atrito pra cá, atrito pra lá: lascam, quebram e ferem as unhas. Outras estripulias do bebê também podem ocasionar o problema. Chutes no berço e carrinhos podem gerar pequenos traumas que venham a se transformar em uma unha encravada.

Mamães podem ter sua parcela de culpa na história: macacões com pezinho ocasionam traumas e meias e sapatos apertados costumam ser vilões. A genética também pode influenciar. Nas unhas da mão é muito mais difícil acontecer. Quando acontece pode ser por problema de má formação, corte incorreto ou acidentes.

O que fazer se o pequeno está com o esse "probleminha"? Primeiro, é necessário identificar o porquê daquela unha encravada. Observe se o sapatinho está apertado, se o macacão com pé está pequeno e fazendo pressão nos dedos, se as meias têm costuras grossas ou se o corte está incorreto. Massagear os dedinhos utilizando um creme ou óleo pode ser uma excelente opção. Isso dá um alívio na pressão do dedo sobre a unha, fazendo com que aquele momento seja muito prazeroso para a criança. A massagem deve ser feita com cuidado, bem de leve, com movimentos circulatórios ou escorregando os dedos para cima e para baixo. Nunca massageie com força em cima da unha pois, como a criança está em fase de crescimento, pode ser que afete a formação da mesma.

Fontes:

enfermeiramariana.blogspot.com.br

Bau da criança

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , ,
14Mai/13

Tosse

POR: MirelaCATEGORIA: Papo Profissional, Pediatra(1) COMENTÁRIOS

image

Tosse

Pois é gente, o Matheus tem andado com uma tosse chata e a Mirela tem andado agoniada com isso, dai depois de orienta-la a tratar da tosse do pequeno lembrei de falar um pouco sobre o tems aqui pra voces. Como hoje é dia da coluna De Pediatra Para Mamae, aqui vai

:

“A tosse é um sintoma que incomoda muito e tira o sono de crianças e pais. A tosse é um reflexo desencadeado pela irritação dos brônquios que pode acontecer por secreção ( catarro) ou por um processo alérgico.

Ela pode ser cheia (secretiva ) ou seca (alérgica). Na tosse cheia ou produtiva não devem ser utilizadas medicações para parar a tosse e sim expectorantes para ajudar a expelir essa secreção,e em alguns casos broncodilatadores ( medicações utilizadas para asma ). Já a tosse seca pode ser tratada com inibidores da tosse ou com antialérgicos. É sempre importante que um médico avalie a tosse e examine o pulmão dos pequenos para decidir a melhor estratégia de tratamento.

Nem sempre uma criança que está tossindo muito está muito doente, pode ser só uma gripe. Mas é importante observar a criança como um todo e perceber sinais de piora que possam indicar uma complicação desta gripe. Os sinais de piora são retorno da febre após alguns dias sem febre, alteração da respiração com chiado ou esforço para respirar ou astenia (fraqueza importante). Em caso de qualquer um dos sinais de piora, procure imediatamente uma emergência. Se a tosse não vier acompanhada de sinais de gravidade consulte o seu pediatra.”

Por Dra. Marina Rocha Azevedo

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , ,
9Mai/13

Obstrução do ducto lacrimal

POR: MirelaCATEGORIA: Papo Profissional, Pediatra(0) COMENTÁRIOS

20130509-214943.jpg
Muita gente nunca ouviu falar nisso, não é? Mas é muito comum.
O olho produz a lagrima como um mecanismo de defesa e prevenção, ela faz a limpeza do olho, removendo impurezas e diminuindo as infecções oculares. Após terminar seu trabalho a lagrima escoa pelo ducto lacrimal e leva junto as impurezas, vírus e bactérias.
Muitos bebes nascem com esse ducto obstruído em um ou em ambos os olhos. Isso pode ocasionar infecções de repetição ou apenas fazer com que o olho acorde um pouquinho sujo e lacrimeje durante o dia.
O tratamento inicialmente é uma massagem que deve ser orientada pelo oftalmologista e realizada sempre com as mãos muito limpas, até que o quadro se resolva.
E se não resolver? Não precisa de pânico! O oftalmologista vai acompanhando e quando a criança estiver maior pode ser feita uma pequena cirurgia para resolver o problema! Mas insista na massagem que resolve!

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , ,
7Mai/13

Viroses, Viroses e mais Viroses

POR: MirelaCATEGORIA: Papo de Mãe(1) COMENTÁRIOS

Imagem

As viroses da infância são parte importante do aprendizado do sistema imunológico e não devem ser encaradas como um grande problema.

O que é uma virose afinal? Virose é qualquer quadro, febril ou não, causado por um vírus.

Muitas vezes não podemos definir qual deles é responsável pela doença dos nossos pequenos e isso gera muita ansiedade nos pais.

Virose pode causar: febre, tosse, coriza, manchas no corpo (rash), moleza, falta de apetite, diarréia e vômitos.Esses são os mais comuns, mas qualquer sintoma pode ser sinal de doença viral e eles podem ocorrer em qualquer combinação.

A febre é sempre o mais preocupante, mas não é o mais importante. Febre alta não significa doença mais grave. Não é possível definir um diagnóstico no primeiro dia de febre, geralmente são necessários 2 a 3 dias para poder indicar um diagnóstico, e as vezes não conseguimos.

É importante saber que os quadros não trazem risco de lesão permanente para seu bebê. Eles são auto-limitados (vão embora sem nenhum tratamento), não indicam que o sistema imunológico está fraco. São doenças chatas, mas inocentes.

O único cuidado é quanto a transmissão para outras crianças e principalmente para gestantes que podem ter alterações no feto ou até abortamento.

E o que você faz?

Mantenha seu filho confortável em casa, trate os sintomas, ofereça muito líquido e vigie os sinais de piora do quadro. São sinais de alerta: fraqueza muito acentuada, vômitos que não passam, febre por mais de 5 dias, dor nas articulações.

O importante é manter a vigilância, faça o acompanhamento com seu pediatra, os pediatras da urgência tendem a fazer antibióticos desnecessários porque não podem reavaliar seu filho.

O mais importante é manter a calma. Converse com sua mãe, ela pode contar como você teve um monte dessas viroses e está aqui bonzinho (a) para contar a história para seus filhos.

Por Dra. Marina Rocha Azevedo

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , ,
2Mai/13

Escolhendo o bico de mamadeira ideal

POR: MirelaCATEGORIA: Alimentação, Dicas, Papo de Mãe(0) COMENTÁRIOS

1942012152729

Você sabe escolher uma Mamadeira?

Parece uma tarefa super simples, mas não é.

A mamadeira adequada para cada fase do desenvolvimento do seu filho está na prateleira, mas nem sempre é fácil descobrir qual é.

São inúmeros tipos de bicos, marcas, tamanhos e cores. Geralmente escolhemos as mais bonitinhas e não prestamos atenção no que realmente importa. Eu já fiz isso também.

Todas as marcas dispõem de bicos com tamanhos diferenciados e fluxos variáveis, só que cada uma usa uma nomenclatura (líquido ralo, líquidos engrossados, leite, água…. outros usam gotinhas ou P, M e G).

É preciso parar e entender como funciona.

O recém nascido, que vai precisar de mamadeira, precisa que o fluxo seja lento, isso significa: fluxo 1, ou líquidos ralos, P, 1 gota…. O tamanho é o recomendado para 0 a 6 meses. Outro ponto importante é que a mamadeira deve possuir um mecanismo anti – cólica eficiente. Os mais modernos possuem válvulas no fundo da mamadeira por onde o ar entra impedindo que esse ar seja deglutido pelo bebê e ocasione cólicas.

A medida que o bebê cresce as necessidades mudam, e as mamadeiras também. O bico pode aumentar e o fluxo também. Algumas marcas possuem bicos com abertura em X que permite a passagem de líquidos mais espessos sem entupir o que ajuda com os sucos mais grossos. O mecanismo anti-cólica passa a ser desnecessário.

É importante que você peça ajuda a uma boa vendedora ou a uma amiga mais experiente para não sair comprando um monte de coisas que não vai usar. E não tire as mamadeiras e bicos das caixas, nelas está toda a informação que você precisa. No bico também tem, mas é mais difícil encontrar, principalmente para quem não sabe o que está procurando.

Por Dra. Marina Rocha Azevedo

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , , , , ,