28Mai/14

Saudades do meu antigo “eu”

POR: MirelaCATEGORIA: Diversos, Papo de Mãe(9) COMENTÁRIOS

20140528-183036-66636152.jpg

No Domingo à noite sai de carro sozinha para ir buscar o jantar e no meio do caminho começou a tocar uma música que me fez sentir saudades de um passado que nem está tão longe assim mas que parece ter ficado a anos luz de mim.
De repente, senti saudades de um “eu” que não volta nunca mais!
Não mudaria o meu “EU” de hoje, de forma alguma, mas o meu “eu” de ontem, em meio a trancos e barrancos, era um “EU” legal e deixou lembranças tão boas que me faz de vez em quando ter vontade de voltar aquele corpo e reviver emoções e momentos que fiação para sempre guardados no baú do tempo.
Cresci sendo sempre sendo uma menina emocionalmente muito independente.
Era destemida de nascença, muito aventureira, e dentro das minhas dúvidas normais para a idade, julgo ter sabido sempre escolher os caminhos que me proporcionassem cada vez mais conhecimento, me levassem a mais descobertas e assim ganhar novos aprendizados.
Sempre tive sede de aprender mais sobre as coisas da vida e quanto mais aprendia, mais vontade tinha de aprender.
Acho que ter vivido uma juventude de forma livre e destemida me fez chegar ao meu “EU” de hoje.
Aprendi a viver, a conviver, a aceitar, a tolerar e a respeitar sempre o “diferente”. Não que isso faça de mim alguém melhor que ninguém, mas sem duvida isso me fez e faz viver de bem com a vida, com o mundo e com os que nele habitam.
Fui assim também porque os pais sempre me ensinaram a voar alto e nunca cortaram meus voos. Apenas me orientaram e incentivaram a correr sempre atrás dos meus sonhos, a não ter medo do amanhã, a viver o hoje com a mesma intensidade que viveria se este hoje fosse o ultimo, e eu acho que aprendi bem a lição, porque foi assim que eu soube aceitar e abraçar o que o destino me reservou e é por isso que hoje vivo longe das minhas bases, mas sou feliz com novas bases que Deus me deu.
Foi por ter crescido assim que livremente me joguei sem medos no colo de um amor que tinha tudo para dar errado, mas que está até hoje dando muito certo (Saiba como vim parar ao Brasil aqui).
Mas afinal, porque gostaria eu de reviver alguns momentos do passado, se a minha vida seguiu o caminho que eu escolhi, e hoje eu estou exatamente onde sempre quis estar?
Bem, eu sinto saudades da liberdade… Sinto saudades de aventura, do desconhecido.
Sinto saudades daquela Mirela que olhava para a vida de uma forma descontraída, sem pensar muito em consequências, sem pensar em perigos… sem ter panico de morrer ou de perder. Sinto saudades de ter medos tão loucos.
O “problema” é que depois que temos filhos, até mesmo os mais destemidos passam a ter medos absurdos e comigo não foi diferente!
Depois que Matheus nasceu, os holofotes da minha vida se voltaram todos para ele é por ele, os meus objetivos hoje são outros, minhas metas não são mais as de antes, minhas vontades mudaram e com tantos medos eu passei a ser uma nova Mirela.
Ganhei um novo jeito de ser e com isso tive que aprender a saber lidar com o novo “Eu” que passou a habitar em mim.
Depois que fui mãe nunca mais soube o que era voar livremente porque os medos me impedem de fazê-lo. Nunca mais pude sequer pensar em voar sozinha até porque julgo não saber mais o que é ficar só, mas quer saber… Adoro o meu novo jeito “medroso” de ser, adoro o meu novo “EU” porque ele me faz ter os pés mais fincados no chão, me faz ter raízes mais profundas e por isso aprendi a viver de uma forma, digamos que mais intensa.
Aprendi a valorizar o que de fato vale a pena, aprendi a enxergar o mundo com outros olhos… mas isso não me impede de ter saudades dos meus antigos altos voos, nem me impede ter saudades de quando nada além de mim era importante, e quer saber, não me sinto mal por ter saudades do meu “passado”, até porque tenho certeza de que não sou a única.
Vou ficar aqui torcendo para que um dia finalmente inventem a maquina do tempo e eu possa me enfiar nela por pelo menos uma hora e assim reviver e lembrar o que é ter uma vida sem filhos e sem marido e confirmar que, apesar dos altos voos e da liberdade, a minha vida não tinha a graça que tem hoje.

E você? Também aguarda ansiosa pela máquina do tempo para poder voltar por umas horas ao seu antigo “EU”?

     
    TAGS , , , , , , , , , , , ,

    9 comentários

    9 Comentários

    Karina

    28 de Maio de 2014 às 19:24Responder

    Mirela,

    Evellyn

    28 de Maio de 2014 às 21:53Responder

    Ate chorei…. Muito eu… Nossa nao mudaria nada no seu texto… Me vi nele também!! O saudade!!

    Angélica

    28 de Maio de 2014 às 22:08Responder

    Me identifico muito com o q vc escreve. Tbm sinto isso. Tenho dois filhos e ás vezes me dá uma vontade de fazer alguma coisa se antigamente… Ahh e tbm me identifico com o banheiro kkk

    Vanessa

    28 de Maio de 2014 às 22:29Responder

    Você não faz idéia de como aguardo essa máquina, igual a vc não me arrependo do que sou hoje e sei que sou muito feliz pela família e vida que construí, mas depois que o filho nasce e uma mudança tão absurda que paree que nunca mais vou ser a vanessa que conheci por anos…

    ja falei disso lá no blog… se quiser da uma olhada no desabafo…

    http://www.desabafodemamae.blogspot.com.br

    silene

    28 de Maio de 2014 às 22:47Responder

    Nossa…penso e repenso tanto isso,amo minha vida,minha família, mas bate uma saudade, de bater papo num barzinho com as amigas, sentir se atraido por alguém, não ter medo de nada…. seguir curtindo. Mas tenho certeza que se tivesse essa vida que sinto saudades com certeza iria querer a minha vida atual, um maridinho,filhos,cachorro… Mulheres são realmente complicadas!Super me identifiquei nesse post,parabéns.

    Giovanna

    28 de Maio de 2014 às 23:28Responder

    Muito legal o texto e me identifiquei bastante ! Sinto falta do meu eu antigo também, sinto muita preocupação com minha filha, muitos medos… Tudo exatamente como vc falou!! Mas estou exatamente aonde eu queria estar, eu direcionei minha vida e sou feliz… Apesar do meu relacionamento ser um saco, te dizer ein!!! amo esse blog Mirela , vc é demais !! Beijos 

    Cid@

    29 de Maio de 2014 às 10:18Responder

    Nossa como eu gostaria desta máquina, muitas vezes essa saudade do meu antigo "eu" aparece eu ficava me julgando/repreendendo achando que era justo com meu marido e filho, muito bom saber que não sou a única e que isso não é nenhum pecado…

     

    bjo

    keyth

    18 de Junho de 2014 às 21:15Responder

    Mirela,não mudaria em nada seu texto…me vi TOTAL nele!E por diversas vezes me vi com medo de sentir saudades do que vivi,e medo de querer voltar “àquela” época…
    Parabéns pelo texto!
    Bjs

    Alexandra

    1 de Julho de 2014 às 14:02Responder

    É perfeito tudo que você escreve. Em vários textos seus eu falaria a mesma coisa, sem mudar uma vírgula. Adorei.

    Deixe um comentário