8Set/15

Gritar faz bem!

POR: Mirela AciolyCATEGORIA: Diversos(0) COMENTÁRIOS

320686-screaming

Tudo tem um lado bom, acredite. Até os gritos. Quando um bebê nasce, logo no parte, o que mais se espera são os gritos do choro alto, isso aumenta o índice de Apgar. Nos primeiros dias do pequeno em casa, esperamos gritos altos para mostrar sua vitalidade e sua personalidade. Porém, quanto mais eles crescem, mais é a nossa intolerância aos gritos. Principalmente se não estamos em casa ou se temos alguma visita. Achamos vergonhoso e temos vontade de “nos esconder”. E os pais conhecem muito bem esse sentimento, não é mesmo?

Atualmente, trabalhamos tanto, passamos tanto tempo fora de casa que quando chega o momento de passarmos com nossos filhos, queremos seguir a cartilha certinha. Não batemos, não gritamos, não castigamos. Mas vamos guardando os incômodos, a raiva e uma hora não tem jeito, nós estouramos. Saímos do nosso normal e gritamos. E quando os gritos param, nosso coração se inunda de culpa, aquela velha conhecida culpa de mãe. É inevitável.

Vivemos nos culpando o tempo todo, mas quando gritamos, parece que a culpa é muito maior, muito mais dolorida. Só que você sabe por que precisamos nos expressar dessa forma? Porque precisamos viver! Gritamos quando sentidos que o nosso espaço está sendo violado, quando queremos dizer para quem quiser escutar: poxa, eu não estou bem.

É bom gritar porque esse é o momento de deixarmos nossa culpa, nossa vida de mãe, nossas obrigações de lado para percebermos que precisamos olhar para nós mesmas! Temos a oportunidade de perceber que algo está nos ocupando e nos sufocando. E esse é o primeiro indício que precisamos perceber para começar a mudar a situação.

Porém, os gritos são bons enquanto são verdadeiros. Quando expressamos algo que realmente está nos incomodando ou colocamos para fora as angústias do dia a dia. As razões para gritar precisam ser reais.

Muitas vezes precisamos mudar a dinâmica familiar, em que as relações e os papeis se atropelam mais do que se ajudam. Ou remodelar as práticas educativas, por não estarem a resultar positivamente para todos os elementos da família.

O motivo pode ser totalmente interno. Pode querer dizer que existe algo na nossa vida que devemos mudar, ou aprender a aceitar. Podemos perceber a necessidade de autoconhecimento ou de transformar algo em nós e na forma como vivemos mesmos e às nossas emoções.

Quando percebemos que estamos gritando muito, devemos sentar e refletir sobre o que está acontecendo à nossa volta. Muitas vezes, a solução está em nós mesmas. É preciso olhar para as causas dos problemas e tentar resolvê-las. Uma mãe feliz sempre resulta em um filho feliz.

Além de procurar as soluções, tente olhar para dentro e ver quais são as formas que você se comunica com as pessoas em sua casa e como elas estão recebendo esse recado. Você está falando tudo o que deseja falar e de forma clara? E se perceber que tem algo de errado na sua conduta, realmente mude.

Então é isso, gritar faz bem, desde que você use esse mecanismo para perceber o que está de errado com você mesma!

     
    TAGS

    0 comentários

    Deixe um comentário