23Jan/14

Dicas para continuar amamentando depois que a licença maternidade chega ao fim

POR: MirelaCATEGORIA: Dicas, Papo de Mãe(2) COMENTÁRIOS

canstockphoto14537126

Licença maternidade chegando ao fim…

Passou tão rápido!

Coração apertado, dúvidas, nova rotina, algumas horinhas fora de casa e pior, longe do amado bebê…

E a amamentação como fica?

Retornar ao trabalho não quer dizer que você terá que interromper a amamentação.

Com orientação, apoio, informação de qualidade e planejamento é possível estocar leite materno de forma que seja suficiente para garantir o AME – Aleitamento Materno Exclusivo – até os seis meses do seu bebê, assim como recomenda a OMS – Organização Mundial da Saúde.

Mesmo com a introdução alimentar que se inicia aos seis meses, o leite materno continua sendo o principal alimento do bebê até um ano de idade, portanto mesmo que ele aceite bem os alimentos após os seis de amamentação exclusiva a quantidade de leite materno que ele precisa continuará sendo a mesma.

A introdução alimentar NÃO tem o objetivo de SUBSTITUIR mamadas, sendo que uma introdução alimentar precoce ou acelerada, isto é, que começa a substituir o leite materno por alimentos, pode conduzir a um desmame precoce e pode comprometer o estado nutricional do bebê.

Garantir um bom estoque de leite materno para o seu bebê pode ser mais simples do que imaginamos, vamos lá!

Dicas para a mamãe que vai voltar a trabalhar:

  • Se hidrate bem e mais! Aumente o consumo de água e sucos naturais ao longo do dia;
  • Mantenha uma alimentação boa e saudável;
  • Descanse sempre que possível (Sei que não é tão simples assim, mas um bom banho e uma boa leitura também nos ajudam a descansar);
  • Mantenha a amamentação em livre demanda quando estiver com seu bebê, pois é o estímulo da sucção que garante a produção do leite;

Ordenha:

  • Ordenha (seja ela manual ou com o auxílio da bombinha elétrica) é questão de prática, por isso é importante que você visite um Banco de Leite Humano para receber orientação;
  • Aproveite ao máximo da tecnologia: Se na sua cidade não tiver Banco de Leite Humano você pode contar com as inúmeras informações do GVA – Grupo Virtual de Amamentação – do Facebook, ver vídeos no youtube, seguir @instamamentar, e participar de tantos outros grupos das redes sociais que compartilham sobre retorno ao trabalho, amamentação, etc;
  • Persista! Pois, seu corpo pode precisar de alguns dias ou semanas para se adaptar à nova demanda de produção de leite;
  • Procure manter uma rotina de ordenha se possível e ordenhe aos finais de semana ou dias de folga também;
  • É importante estar com as mãos bem limpas, cabelos presos e utensílios (da bombinha se for elétrica e pote de vidro) esterilizados em água fervente por cerca de quinze minutos;
  • A bombinha elétrica é mais prática e ajuda a poupar tempo, mas é preciso tomar cuidado para que não machuque seu peito;
  • Você pode ordenhar ao longo do dia e ir armazenando e congelando os ml que conseguir num mesmo pote até que complete a quantidade necessária para seu bebê, sendo que prevalecerá a data da primeira ordenha armazenada, portanto você pode completar o pote com o leite materno que ordenhar em dias seguintes, porém sempre prevalece a data da primeira ordenha que você armazenou nele;
  • Uma ótima dica é ordenhar um peito enquanto o bebê mama o outro 🙂 Para isso, a bombinha elétrica ajuda bastante;
  • Você pode oferecer somente um peito durante as mamadas da madrugada e “guardar” o outro peito para ordenhar logo de manhã. Porém, não é legal fazer isso mais que uma ou duas noites por semana, pois seu corpo compreenderá que o bebê não está mamando toda quantidade que está produzindo na madrugada e passar a produzir menos;
  • Lembre-se de que as ordenhas dos finais de semana e dias de folga serão fundamentais para manter um bom estoque;

Estoque de Leite Materno:

  • Inicie seu estoque de leite materno com cerca de duas a três semanas antes do retorno ao trabalho;
  • O Leite Materno ordenhado deve ser armazenado em potes de vidro com tampa de plástico e etiquetados com a data da ordenha;
  • Os potes devem ser colocados dentro do congelador e não na “porta”;
  • A ordenha pode ser feita ao longo do dia e os ml que você conseguir pode ir colocando num mesmo pote até completar a quantidade ideal para o seu bebê que é: 20-25ml Xpeso do bebê. Ex: Para um bebê de 7 quilos, a quantidade por mamada está entre 140-175ml de leite, para ser oferecido ao bebê a cada duas ou três horas;
  • É importante que você ordenhe no seu local de trabalho e o pote com o leite materno deverá então ser colocado numa caixinha de isopor ou bolsa térmica com gelo gel para mantê-lo frio e assim você possa congelar em casa (Num refrigerador o leite materno vai durar 24h em temperatura entre 5-10° (sem congelar) e em temperatura de 19-25° o LM pode durar de 4 a 6h;
  • Depois de congelado o leite materno dura quinze dias e doze horas na geladeira. Porém, para consumo domiciliar o leite materno pode ser armazenado desde que de forma correta por até sessenta dias, a orientação de apenas quinze dias é para o caso do leite materno doado aos Bancos de Leite Humano – essa orientação foi estabelecida pela FIOCRUZ (Fundação Oswaldo Cruz, vinculada ao Ministério da Saúde, a mais destacada instituição de ciência e tecnologia em saúde da América Latina);
  • Para evitar o desperdício de leite materno, que uma vez descongelado não pode ser congelado novamente, é interessante armazenar em pequenas quantidades inicialmente (de 50 a 100ml) até perceber quanto seu bebê irá consumir diariamente;
     

Para oferecer o Leite Materno:

  • É importante evitar oferecer o leite materno em mamadeira, pois pode causar confusão de bicos e conduzir para um desmame precoce além de inúmeros malefícios que já conhecemos;
  • Copos de transição, Mamadeira colher, Copo com canudo, Copinho simples;
  • O leite materno poderá ser oferecido ao bebê a cada duas ou três horas ao longo do período que você estiver fora;
  • O leite materno NUNCA pode ser descongelado em forno micro-ondas ou ser fervido, pois esses procedimentos “matam” o leite;
  • O leite materno deve ser descongelado em banho-maria, desligando o fogo assim que levantarem as bolhas de fervura para então introduzir o pote com o leite congelado;
  • Uma boa opção é tirar o pote do congelador e deixa-lo dentro da geladeira para ir descongelando e depois apenas aquecê-lo em banho-maria, tomando cuidado para não ultrapassar a quantidade de horas que o leite pode ficar descongelado em geladeira;
  • Se o bebê não mamar todo o leite oferecido pelo cuidador, esse leite não poderá ser reaproveitado, ele terá que ser descartado.

Experiência de uma mãe com o retorno ao trabalho…

"Quando Emanuel estava completando três meses, a enfermeira que nos acompanhava mensalmente desde o nascimento me orientou sobre as práticas de ordenha e armazenamento de leite materno, mas ao final do nosso encontro ela me explicou que como o ganho de peso dele estava ótimo e acima da curva que não haveria problema nenhum em introduzir fórmula se fosse necessário.

Hã, como assim?

Meu coração ficou apertado ao ouvir isso, pois eu sabia que retornaria ao trabalho cerca de vinte dias antes do Emanuel completar seis meses e até então sonhava em amamentá-lo exclusivamente até os seis meses.

Em casa, ordenhando manualmente por cerca de meia hora conseguia 30ml…

Quando sentia que não seria capaz, meu coração me convencia de que SIM eu seria sim 🙂

Com meu coração de mãe inquieto passei a pesquisar tudo sobre amamentação e retorno ao trabalho e graças a Deus fui até o Banco de Leite Humano de minha cidade após “devorar” as informações dos IGs @instamamentar, @dicasdemaeamorosa, @attachmentparentinbrasil e dos inúmeros textos amorosos que li no GVA Grupo Virtual de Amamentação do Facebook.

Recebi orientações sobre a rotina de ordenha e a que mais ajudou no meu caso foi ordenhar de madrugada quando ocorrem os picos da prolactina.

Na primeira ordenha da madrugada, consegui 120ml e as lágrimas rolaram dessa vez, mas de alegria e gratidão… SIM eu seria capaz sim 🙂

E assim iniciei meu estoque, abri espaço no congelador e voilà!!!

Cada meia horinha que sobrava lá estava eu agora com a bombinha elétrica que facilitou e muito a agilidade na ordenha.

A família fez campanha e logo eu tinha muitos potes de vidro com tampa de plástico, porque os que havia comprado eram de baixa qualidade e na primeira tentativa em banho-maria o fundo acabou cedendo.

Com um bom estoque de leite materno no congelador e com o coração cheio de alegria em poder garantir a AME ao meu amado filho, retornei…

E como foram difíceis os primeiros dias 🙁 Muitas lágrimas rolaram, mas toda a equipe da escola em que trabalho como pedagoga me acolheu e amparou. A mim, foi reservada a melhor sala para que realizasse a ordenha no fim da tarde e uma geladeira com um congelador enorme para os potes de leite que diga-se de passagem fizeram o maior sucesso!

Uma amada amiga pode me oferecer carona pra que eu chegasse mais cedo em casa e só pude agradecer, agradecer e agradecer. Como Deus é maravilhoso!!!

Emanuel ficou sob os cuidados da vovó e do papai que paciente e amorosamente ofertam o leite da mamãe inicialmente na colherzinha e depois no copo de transição de bico rígido e aos poucos todos se adaptaram 🙂

Nas primeiras semanas acabamos perdendo muito leite, pois armazenei em cada pote mais do que o Emanuel mamou, além do leite que derramava enquanto ele mamava, mas depois tudo foi se ajeitando e hoje deixo congelado em potes de 150ml cada, pois sei que suprirá a necessidade do meu filho.

Sempre deixo leite estocado caso haja alguma emergência, como já ocorreu, de eu chegar atrasada em casa devido ao trânsito, reunião extra, dentre outras.

Como meu corpo se ajustou à demanda de produção de leite materno com a rotina de ordenha e a livre demanda quando estou com meu filho, sigo ordenhando duas vezes ao dia. De manhãzinha, antes dele acordar pra mamar ou enquanto ele mama em um peito vou ordenhando com a bombinha do outro e ao final da tarde no meu local de trabalho, mantendo as ordenhas nos mesmos horários nos fins de semana e feriados para garantir um bom estoque.

Com a introdução alimentar, Emanuel passou a almoçar e comer frutas enquanto estou fora, além de permanecer mamando e muito bem.

Sim, foi possível garantir a AME ao meu amado filho e continuar amamentando mesmo com meu retorno ao trabalho 🙂

Logo que chego em casa ele procura o “mamá” e permaneço amamentando em livre demanda e assim seguiremos com muito amor rumo ao desmame natural.

Vale a pena se informar, buscar apoio, orientação especializada, compartilhar com outras mamães e persistir, pois somos capazes sim 🙂 Somos mamíferas e nossas crias com certeza agradecerão!!!" contou Luciana, a mãe do Emanuel.

luperegrinos

FONTES DE ESTUDO E PESQUISA

Informações e orientações recebidas no Banco de Leite Humano do Hospital Fornecedores de Cana de Piracicaba – interior de SP

Textos do GVA postados no Facebook

Textos dos IGs citados acima

 

Gostou?

Então não esquece de comentar e compartilhar o blog nas suas redes sociais.

Além de eu adorar a sua participação você vai estar ajudando o blog a crescer.

Bjos

Mirela

 

[essb-fans style=flat cols=4]
 
TAGS , , , , , , ,

2 comentários

2 Comentários

emilia ernesto joao matusse

28 de Fevereiro de 2014 às 5:31Responder

OBRIGADA PELA DICA, EU TBEM SOU UMA MAE QUE FIQUEI AFLITA QUANDOME VI A TER QUE RETORNAR AO TRABALHO E DEIXAR A MINHA FILHINHA CEM LEITE MANTERNO. O PIOR ELA NAO QUERIA LEITE ARTIFICIAL. GRASAS A VOSSA DIGA HOJE AMINHA FILHA TEM O LEITE SUFICIENTE PARA FICAR A MAMAR E STA A CRESCER SAUDAVELMENTE.

Priscila Pereira

12 de Março de 2015 às 15:16Responder

Muito bom o post e foi de extrema importância para mim, pois estou exatamente nesta fase, volto a trabalhar dia 06/04, mas felizmente vou levar meu baby para o colégio que trabalho e vou poder amamenta-lo sempre que for necessário, mas em uma emergência é sempre bom saber.

Deixe um comentário