17Set/13

A mãe que sonhei ser… mas não sou!

POR: MirelaCATEGORIA: Diversos, Educação, Papo de Mãe(55) COMENTÁRIOS

Antes de engravidar, eu levava a vida sonhando com a maternidade.

Ser mãe foi um sonho que começou cedo. Conta a minha mãe, que quando me perguntavam o que eu gostaria de ser quando crescesse, a resposta sempre era a mesma:

“Mãe, eu quero ser mãe!!

Ao longo da minha vida, esse sonho me acompanhou. Aguardava ansiosa, a pessoa e a hora certa para tornar real o meu maior desejo, mas enquanto nem a pessoa nem a hora certa chegava, eu vivia sonhando e fazendo planos para o meu "futuro" filho #quemnunca.

Nossa como era fácil ser mãe em sonhos… Ser mãe do filho dos outros então… Era fácil demais.

Eu vivia sonhando com os exemplos que iria dar, vivia imaginando o que faria, e o que não faria….  

Depois que casei e liberei para engravidar, foi uma loucura! Eu sofria a cada mês esperando pelo meu positivo. Não via a hora de ver o meu sonho tornar-se realidade! Levei quase um ano para engravidar, e quase enlouqueço tudo e todos que estavam a minha volta, por causa dessa minha obsessão! Mas isso é um post a parte. Quando engravidei outro post a parte foi uma loucura! 

Um novo mundo de sonhos invadiu a minha vida, e eu comecei a criar expetativas comigo mesma, quanto a essa nova Mirela que estava prestes a “nascer” junto com o Matheus!

Na minha cabeça, quando meu filho nascesse, eu iria amamenta-lo até ele ter 2 anos, seria bem rigorosa com a rotina dele, e nunca, jamais não iria permitir que ele substituísse uma refeição por besteiras. Nunca deixaria que ele me levantasse a mão… Gritar comigo então, nem pensar. E fazer birra??? Eu sabia exatamente o que iria fazer no caso de birra, para que nunca mais ele repetisse a "dose" (Quando via alguma criança fazer birra, eu sempre achava que aquela mãe não estava sabendo lindar com algo “tão simples” e na minha cabeça, sempre havia o "pitaco certo").

Meu filho iria entrar na natação aos 7 meses, iria ver muito pouco ou quase nada TV/Ipad/Celular, teria apenas os brinquedos essenciais para o desenvolvimento dele, nunca iria comer comida industrializada, etc etc etc…. (alguém se identificando com a quantidade de “iria e não iria”)

Ahhhh gente, o que eu mais repetia, quase esqueço! 

Meu filho NUNCA na vida iria se acostumar a dormir na minha cama, ou melhor, eu dizia mesmo, que filho meu nunca iria dormir na minha cama! Criança tinha que saber exatamente onde era o seu espaço e o casal precisava manter a intimidade intata.

Por fim, meu filho NUNCA teria uma babá!

Pois ééé…

Meu filho nasceu, e a maternidade fez com que eu quase ficasse sem língua de tanto que a mordi!

Expetativas muito altas antes e durante a gravidez, nos fazem sentir piores mães do que aquilo que achamos que somos quando o bebe nasce, sabiam?

Você constrói na sua cabeça uma mãe, que não existe! Você lê num blog um tipo de mãe, lê em livros um outro tipo, em novelas mais um, isso sem deixar de contar que você tem o maior exemplo, que é a sua própria mãe. E ai o que você faz? Mistura todas as mães que conhece, e monta a mãe perfeita.

Por aqui não foi diferente!

Eu queria ser a mãe perfeita!

Eu queria ser aquela mãe que começaria por tentar um parto normal, que chegando em casa, o filho dormiria logo no seu próprio quarto.

Eu queria ser aquela mãe que todo o dia faz a papinha para o filho, e que tem sempre uma refeição caseira fresquinha, pronta para levar quando fizesse uma refeição fora de casa.

Eu queria ser aquela mãe, que sabe o que fazer na hora de um escândalo. Aquela que acorda feliz no meio da noite, amamenta sentada sem nem piscar os olhos, e volta pra cama mais feliz do que quando levantou.

Eu queria ser a mãe cujo filho nunca a iria ver irritada, muito menos sem paciência! 

Queria conseguir levar todo o final de semana o meu filho para uma atividade cultural, para estimula-lo a gostar de coisas intelectuais no futuro, e isso desde que ele fosse bem novinho, tal como sair todo o sábado de manhã para a hora do conto da livraria perto de casa!

Eu juro que queria ser a mãe que todo o santo dia conta uma historia na hora de dormir para o filho, que sempre sabe falar num tom baixo, firme e meigo para orienta-lo nas crises de birra…

A mãe que acostumou o filho a tomar banho e a dormir todo o santo dia nos mesmos horários…

A mãe que está sempre arrumada para o marido, e que sempre está disposta a brincar com o filho!

A que se vira nos trinta e consegue fazer mil e quinhentas coisas bem feitas, que nunca teve que colocar o filho para dormir sacolejando o pobre até quase seus braços caírem com o peso do pequeno, tudo porque não conseguiu acostumar o filho a dormir sozinho… 

Queria ser a mãe que depois que o filho dorme, deixa de ser mãe e passa a ser mulher!

Eu juroooo que queria!!!! Mas não sou!!!

Eu sou uma mãe como tantas outras que conheci. Eu sou uma mãe comum!

Sabe aquela mãe que perde a paciência com o choro sem motivo do filho? Que fica desesperada quando sabe que ele esta com dor mas não pode fazer nada?  Que se desespera na hora que o pau pega de verdade e a única coisa que tem vontade é se sair correndo, gritando desesperada com os braços no ar?

Eu sou o tipo de mãe, que quer gritar palavrão quando tá irritada e morde a língua pra não falar na frente do filho, mas assim que o filho não está por perto, solta até os que a língua portuguesa desconhece!

Eu sou aquela mãe que colocou o filho pra dormir na sua própria cama, para poder amamenta-lo no meio da noite quase sem acordar e que no dia seguinte lembrou que não colocou ele para arrotar… e se colocou, não lembra!

Eu sou aquela que, na hora que o filho faz birra, se sente a pior mãe do mundo, porque a única coisa que tem vontade é de dar umas palmadas, e como não quer nem pode dar, fica sem saber qual a solução mais rápida e acha que nunca vai conseguir acertar na educação do filho!

Sou a mãe que amamentou o filho olhando no celular ao mesmo tempo, que liga a TV e coloca uma galinha pintadinha só para poder descansar e ficar de bobeira!

Sou a que até o filho andar, soube enrolar ele pra mantê-lo pelo menos entre quatro paredes brincando, mas num ato de desespero e exaustão deu um aumento à secretária para que ela começasse a ajudar com as coisas do pequeno, e hoje se arrepende mas não consegue mais voltar atrás!

Já falei que sou a mãe que deixou seu filho dormir mais vezes na sua cama do que no berço, até ele ter um ano? Pois é… sou eu!

Esta sou eu… eu Mirela, mãe do Matheus.

Muitas vezes me sinto péssima!

Me sinto falhando na minha tão esperada missão, embora ainda seja muito cedo… mas tem hora que não sei se vou conseguir me sair bem!

No entanto, de uns tempos para cá, descobri que ser mãe é isto mesmo!

Matheus recebe todo o amor que consigo dar, recebe toda a minha atenção e o máximo da minha dedicação.

Matheus tem limites, escuta nãos, e muitas vezes escuta um pouco mais do que merecia, mas também estou aprendendo a impor limites, e, meu Deus, como isso é difícil!

Se pensarmos bem, sou mãe tem pouco tempo. Tudo é novidade… afinal, sou mãe de primeira viagem e não estou treinando um robô. Estou educando um ser humano, que a cada dia que passa, revela ter gostos e vontades próprias. Ser humano esse, que a cada dia que passa, aprende uma nova forma de testar meus limites, sejam físicos ou emocionais. Ser humano esse, que foi gerado no meu ventre, tem meu sangue, e teu meu coração!

Se humano esse, que por ter meu coração, me faz oscilar entre a razão e a emoção a cada segundo que passa e por isso se torna tão difícil aplicar nele, todas as teorias que antes me pareciam tão obvias e fáceis de aplicar no filho dos outros!

Sabe o que eu concluo?

Concluo que eu sou a melhor mãe que consigo ser, e errar tentando acertar já é muito bom!

Tenho certeza que meu filho quer que eu seja, exatamente a mãe que o meu coração está me ensinando e a que eu estou conseguindo ser!

 

     
    TAGS , , , , , , , , ,

    55 comentários

    55 Comentários

    Bethânia Ramos

    17 de Setembro de 2013 às 9:59Responder

    muito bom o texto, to nesse caminho!!!

      pensava exatamente igual a vc , e sou uma mae exatamente igual a vc , mas nao me culpo por horas de nervoso e sim agradeço a deus por ter me dado a ALANA VITORIA MINHA VIDA MEU AMOR , FIZ FERTLIZAÇAO IN VITRO PARA TER ELA , ANTES DISSO PERDI DUAS BEBES

      29 de Junho de 2014 às 18:34Responder

      Commen

      t:

    pamela

    17 de Setembro de 2013 às 10:05Responder

    Meu Deus como me identifiquei com esse post a não ser pelo fato de que você queria ser mãe e eu nunca quis por medo de não ser uma boa mãe.Agora estou gravida de 30 semanas e gostaria de ser a melhor mãe do mundo,tudo o que vc escreveu que queria ser é exatamente o que eu quero mas pelo que vc descreveu não é tão facil ser uma super mãe.Muito obrigada pelo post pq se eu não conseguir ser tudo isso sei que eu não preciso ficar me culpando!Bjus

    Tatiani

    17 de Setembro de 2013 às 10:20Responder

    Adorei !!! Me encaixo completamente nas suas palavras.

    Thayane

    17 de Setembro de 2013 às 10:53Responder

    Adorei seu relato, é tudo muito real. E é isso mesmo, #culpanão!

    Paula

    17 de Setembro de 2013 às 10:54Responder

    Mirela, parece que estava lendo a minha historia rsrs! Tambem sou mae de um Matheus de apenas 3 meses mas peço a Deus todos os dias paciencia e sabedoria pra educa-lo. Sei que ainda tenho um caminho longo pra percorrer e confesso que morro de medo das proximas fases ja que agora ele esta sobre me dominio e so quer a mamae. Acho que todas somos mto parecidas pricipalmente as de primeira viagem. Parabens pelo blog estou adorando cheguei a pouco e te conheci pelo instagam. Mil bjos!

    Michelle

    17 de Setembro de 2013 às 10:59Responder

    Amei o post, eu sou a mesma mae que vc! Hahahah o berco do meu filho deve estar empoeirado pq ele nunca dorme la

    Piny Pon

    17 de Setembro de 2013 às 11:19Responder

    Adorei Mirela :) Mostraste, mais uma vez, que és uma mãe humana, que tens receios e erras como tantas outras, mas que muitas não têm a coragem de o escrever ou dizer. Ainda não sou mãe, mas quando for, provavelmente vou morder a língua tantas vezes como tu :) Sou “tia” de algumas crianças (filha(o)s de amigas minhas), e já aprendi umas coisinhas (acho eu)!! Acho que o que importa, é dar todo o nosso amor, ensiná-los a viver a vida sem pisar os outros, e ensiná-los a viver na alegria, com muita música à mistura ahahahah Beijoooo

    Maris

    17 de Setembro de 2013 às 11:50Responder

    Olá Mirela.. Primeiro PARABÉNS pela coragem de expor sua opinião num universo tão injusto chamado internet. Tenho ctza que isso é o que acontece com a grande maioria das mães, no entanto, em nome dos bons costumes e aparências, muitas ainda fazem de conta que têm uma vida perfeita… Vai entender..rs
    Estou de 15 semanas, mais assim como vc tenho muitos anseios e desejos para meu futuro filho, e a cabeça já está a mil…kkk.. como é difícil né?
    Adoro seus posts pela sinceridade e realidade que eles transmitem, são despretenciosos sabe, nada surreal de atingir, nada de comercial de margarina ou coisa do tipo..kkk..bem algo, sim, problemas acontecem, mais tb somos capazes de resolver, erramos, aprendemos, e vamos a luta, dia após dia.
    Parabéns novamente pela coragem e pelo blog que já sou fã!!!
    Espero ter 1/3 da coragem de enfrentar esse universo como vc…rs…principalmente no quesito, vô, vó e afins…kkk
    Bjoa

    Michelle

    17 de Setembro de 2013 às 14:24Responder

    Me identifiquei muito com este post, é bom saber que as aflições e delicias da maternidade fazem parte da rotina de todas nós. Um beijo com carinho,

    Carla

    17 de Setembro de 2013 às 14:44Responder

    Nossa chorei litros agora!!!! Me identifiquei total!!!! Somos humanas e sempre buscamos o melhor pros nossos pimpolhos!!!

      Mirela

      17 de Setembro de 2013 às 22:22Responder

      Fico feliz que tenha gostado e tenha se identificado :)

       

      Mil Beijos

      Mirela Acioly

    Vanessa

    17 de Setembro de 2013 às 22:28Responder

    Você é a mãe de verdade, que nasceu com o Matheus! Parabéns pela coragem de assumir erros que na maioria das vezes se tornam acertos!

    Carol

    17 de Setembro de 2013 às 22:33Responder

    Oi Mirela!! Te sigo há tempos no Instagram, mas nunca vim no site. Quando vi essa chamada pensei, é minha cara!! Idealizei muito, me sinto frustrada muitas vezes, arrependimento, então… Mas também acho, sou a melhor mãe que posso ser, e tenho certeza que, de todos os planos, um não falhou: amo meu filho mais que tudo no mundo. No fim, coração de mãe é quem dita o pode-não-pode! Beijos!!

      Mirela

      18 de Setembro de 2013 às 12:21Responder

      é isso mesmo carol!

      Você é a melhor que consegue ser, e isso já faz de você, a melhor mãe que seu filho poderia ter! :)

      bjoos

      Mirela

    TitaLoyo

    17 de Setembro de 2013 às 23:07Responder

    Mirela realmente é Muito dificil colocarmos em pratica tudo que julgamos correto e nao colocarmos o que sempre criticamos o que as outras maes faziam, assim como voce,
    eu tb tinha entiada e varias attitudes dela eu julgava ser culpa dos pais e hoje como mãe vejo que nao era Bem assim..

      Mirela

      18 de Setembro de 2013 às 12:20Responder

      Exatamente… nos temos váááários exemplos que comentávamos até, né amiiga? #mordendoalingua kkkk

      Bjooos

      Mirela

    Thais Rezende

    17 de Setembro de 2013 às 23:46Responder

    Como vc escreveu isso menina!!!!! Vc traduziu tudo q sinto, mas não sou muito boa com as palavras…. Vc é o máximo !!!! E com certeza vc é a melhor mãe do mundo né Matheus?????

      Mirela

      18 de Setembro de 2013 às 12:19Responder

      Hahaha :) Tava inspirada kkkk

      Bjooos

      Mirela

    Marisa

    18 de Setembro de 2013 às 1:08Responder

    Simplesmente assim, me identifiquei demais com seu depoimento, meu filho se chama Otávio, tem 2 anos, e me vejo em cada situação que descreveu! Mas uma coisa é certa,independente dos erros, a cada vez que consigo controlar as birras e fazer com que as coisas aconteçam da maneira que imagino que devem ser, me sinto a pessoa mis vitoriosa do mundo! E a cada maranhense que escuto me sinto a pessoa mais importante e amada do mundo! Ser mãe é TUDO!

    Tatiana

    18 de Setembro de 2013 às 7:03Responder

    Amei…. Assim eu sou!!!

    frommomtomoms

    18 de Setembro de 2013 às 9:25Responder

    amei, e tudo isso mesmo e mais um pouco. muito legal sua sinceridade

    Maes em Obra

    18 de Setembro de 2013 às 11:25Responder

    É isso aí Mirela, adoramosss seu texto!!! Sincero e verdadeiro. E acredito que nossa missão como “mães blogueiras” é extamente essa, compartilhar nossos erros e acertos, e quem sabe dessa forma acalmar o coração de tantas outras mães!!!! Parabéns!!!!!um bjo carinhoso das Mães em Obra.

      Mirela

      18 de Setembro de 2013 às 12:18Responder

      Obrigada pelo carinho :) sem duvida essa é a nossa missão! :)))

      Mil beijos

      Mirela

    Ana Cláudia Martins

    18 de Setembro de 2013 às 14:01Responder

    Nossa, Mirela, essa SOU EU!! Super me identifiquei com seu texto… Amei. Bjs

    ericapaulatti

    18 de Setembro de 2013 às 16:43Responder

    hahahaha Mirela, todas somos assim! Se somos melhores em um quesito, somos piores em outros… SER MÃE É A ARTE DE PAGAR A LINGUA!!!! rsrsrsrs

      Mirela

      20 de Setembro de 2013 às 11:33Responder

      Seeem dúvida. Kkk
      Bjooos
      Mirela

    Carolina

    18 de Setembro de 2013 às 23:55Responder

    Um dos melhores textos sobre mãe q já li. Vc teve a capacidade d resumir oq é ser mãe sem julgar ou apontar dedos pra nenhuma outra idéia ou certeza d outra mãe!!! Parabéns vc é realmente uma mãe d alma e coração!! Obrigafa

      Mirela

      20 de Setembro de 2013 às 11:32Responder

      Ah Carolina, obrigada pelo comentário. É muito bom ver um texto meu sendo elogiado dessa forma.
      Mil beijos
      Mirela

    Janaina Carvalho Leal

    19 de Setembro de 2013 às 10:19Responder

    Muito obrigada Mirela, muito mesmo. Ontem passei a noite chorando, me sentindo a pior mae do mundo. Estou gravida de nove meses e superestressada querendo dar conta de tudo. Morro de pena de ver minha filha de dois anos querendo atencao e eu morta de cansada. Vc falou nesse post tudo que eu sentia e sinto. Eh bom saber que tem outras maes como eu. Muito obrigada. Bjos

    Sarah

    19 de Setembro de 2013 às 22:20Responder

    Aii mirela!!! Sabe o que eu gosto no seu blog? vc é real!!, não fica fazendo pose de mãe perfeita como outros blogs por ae.. adoro demais seus post e super me identifico!!!
    estou nesse dilema, de colocar a galinha pintadinha p poder ter um pouco de sossego e depois ficar me sentindo culpada por isso.. mas ser mae é isso né? sentir culpa por tudo!!!! mas a gente supera!!!

    bjos e continue assim.. abrindo o coração!!!!!!!!!!!!!!

    Karime

    19 de Setembro de 2013 às 23:47Responder

    Exelente… Me senti “escrevendo agora” com seu texto!!! Parabéns

      Karime

      19 de Setembro de 2013 às 23:55Responder

      Excelente* corrigindo

    Fernanda

    20 de Setembro de 2013 às 10:08Responder

    Mirela, tudo isso é perfeito!! Esse é o retrato de quem de fato é mãe…E ser mãe é…entregar-se, é cuidar, é doar… e doar sem receber. As mães de comercial, não exercem essa atividade, elas somente observam. Assim como você, que quando ainda não era mãe, tinha uma visão bem diferente da realidade.

    Cristiana

    21 de Setembro de 2013 às 13:17Responder

    Mirela adorei o post a minha cara em todas as linhas !!!! Ser mae eh maravilhoso mas muitas e muitas vezes me frusto pq nao acho q sou a mãe ideal para a minha princesinha … Me ajudou muito ler esse post!!! Obrigada

    Chrys Campos

    21 de Setembro de 2013 às 20:32Responder

    Mirela, te dou parabéns, pq vc “apesar do pouco tempo” já captou o principal nesta nossa função de mae: cuidar e criar com o coração, mas nunca desistir dos seus princípios e anseios, tentar sempre e desistir jamais!!! Sou mãe de 3, um de 14 anos, outro de 6 e uma princesa de 6 meses, te garanto q o 1º é sempre o mais difícil, todos os seus desejos estão sobre ele, inclusive sua vontade( obrigação) de acertar! Hoje consigo fazer grande parte daquilo q vc dizia desejar antes de ser mãe, sim é possível, basta ouvir seu coracao e tentar sempre!!! Bjo e querendo trocar ideias estou por aqui! Chrys Campos, dentista e mãe em tempo integral, q sempre quis ser mãe desde sempre!!!

    Júlia

    22 de Setembro de 2013 às 23:43Responder

    Super me identifiquei! O olha que o meu Mateus ainda tem 45 dias… ;)

    arnaldo gomes santana

    24 de Setembro de 2013 às 20:23Responder

    Conclusão: você é uma mãe normal; uma mãe comum; e isso é bom, muito bom!!

    Jeniffer

    24 de Setembro de 2013 às 20:27Responder

    Olá, simplesmente amei o post, estou entrando no meu quinto mês de gestação estou esperando ansiosamente por Miguel meu já mega hiper amado filho!!!!! E me sinto com essas mesmas espectativas e com um receio imenso de errar….. Me ajudou esse post obrigada mesmo

    Carla

    3 de Outubro de 2013 às 21:54Responder

    Me encaixei nesse seu “desabafo” e me confortou muito, pois tem vezes que parece que está tudo errado, mas não está…bjusssss

    Raquel

    4 de Outubro de 2013 às 12:59Responder

    Texto perfeito. Ser mãe é ter teto de vidro mesmo. Estou no segundo filho e posso dizer que cada experiência é diferente da outra. Bjs e parabéns pelo blog

      Mirela

      4 de Outubro de 2013 às 13:06Responder

      Obrigada Raquel :)

      E nem vidro duplo é, né? rsrs

      Bjos

      Mirela

    Fátima

    6 de Novembro de 2013 às 17:04Responder

    Olá Mirela, cheguei até aqui através de uma amiga que compartilhou um post seu, lique é mãe de primeira viagem e achei que talvez gostasse de conhecer um blog onde se reunem outras mães, de primeira viagem ou não – http://www.cientistaqueviroumae.com.br – fica a dica. Parabéns pelo blog e boa sorte na trajetória, Bjos.

    Babi

    7 de Novembro de 2013 às 9:58Responder

    É incrível como nós mães nos cobramos…Poderia afirmar com 100% de certeza que alguém leu meus pensamentos para escrever esse post kkkk. Nao tenho duvidas que nossos pequenos tem o nelhor de nós

    Carla Pontes

    8 de Novembro de 2013 às 10:26Responder

    Fui mãe à 8 anos e senti exactamente a mesma coisa. Teoricamente, sabia exactamente como iria ser mas na prática “quebrei” todas as regras. A única que não quebrei, foi amá-la acima de qualquer coisa. Vivo uma linda história de Amor com a minha filha e nesta altura estou à espera de outra menina que irá complementar este sentimento lindo. Obrigada pelo post e por nos fazer sentir “normais” :)

    Karina Emerick

    9 de Novembro de 2013 às 7:41Responder

    Adorei!!! Sempre pensei que era só em casa e que o filho do vizinho é mais comportado. Ufa,não estou sozinha bjs

    Sabrina

    10 de Dezembro de 2013 às 12:05Responder

    Vc disse td q eu sou amiga.

    Ligia

    19 de Janeiro de 2014 às 21:55Responder

    amei o que vc escreveu me identifiquei , muito amo ser mãe mas ñ é nada fácil educar um ser humano rss bj

    Roberta Hantke

    20 de Janeiro de 2014 às 1:43Responder

    Estou me afogando em lágrimas…eu até me achava uma ótima mãe até meu segundo filho nascer, eu quis e quis muito e quero muito os dois amo mais que tudo…mas não estou dando conta e isso acaba comigo…não consigo dar atenção para meu filho de 10 anos pq o pequeno de 2 me ocupa demais e ainda tenho a casa para cuidar…não tenho como pagar ninguém para me ajudar com a casa…vou dormir com a ideia de que na manhã seguinte vai ser diferente vou me organizar melhor mas nada disso acontece…minha casa nunca esta limpa o suficiente, as roupas sempre acumuladas, meu marido chega para almoçar e eu nem consegui começar o almoço, meu filho mais velho só leva bronca pq me sinto atarefada demais e ele ainda me aparece com revistas brinquedos ou perguntas acabo gritando com ele e com o pequeno que é arteirissimo eles somem de perto de mim e eu me sinto um lixo de mãe…não consigo mais ser mãe nem esposa nem eu…simplesmente eu não estou dando conta…que dirá sair de fim de semana para ir ao parque até prometo mas nunca arrumo tempo e o tempo que arrumo quero descansar…E não era assim eu lia histórias e fazia a comidinha dormia juntinho mas eu gostava disso, dava banho e colocava para dormir no mesmo horário “isso ainda consigo fazer com os dois” levava para o parque, mas desde que o menor nasceu mudou era o refluxo que o bb tinha que eu colocava culpa depois culpava a construção da minha casa, hoje ja estou na casa nova o bb cresceu e ja não vomita com muita frequencia e EU NÃO CONSIGO ME ORGANIZAR PARA ATENDER OS MEUS FILHOS E ISSO ESTA ME MATANDO, ELES ESTÃO CRESCENDO E EU NÃO ESTOU LÁ COM ELES COMO DEVERIA E QUERIA… Isso foi um desabafo algo que eu não tinha conseguido falar nem pra mim ainda estou angustiada e chorando muito mas tenho muita fé e mais uma vez espero que amanhã eu consiga me organizar e melhorar meu desempenho como mãe!

    Luciana

    21 de Janeiro de 2014 às 11:54Responder

    É isso mesmo!!
    Sou assim tb e além de tudo sou daquelas que fica p da vida com tantos conselhos sem pedir, mas que depois fica com uma pulga trás da orelha. Será que tô fazendo certo? Será que é assim.

    Pior, no começo fui uma mãe que queria por que queria que a teoria do livro encantadora de bebes se tornasse realidade. Até entender que não é bem assim! Isso chegou a me deixar frustrada, mas aos poucos vamos pegando o jeito. Embora surjam dúvidas o tempo todo.

    Bjos

    LAUDIENE

    7 de Março de 2014 às 22:45Responder

    SOU MÃE DE SEGUNDA VIAGEM, SÓ QUE PARECE SER O PRIMEIRO ESTOU DESESPERADA POR NÃO TER PACIÊNCIA SUFICIENTE PARA LHE DAR COM OS DOIS, AS VEZES ACHO QUE VOU SURTA.
    GOSTEI DO SEU POSTE POR SABER QUE NÃO SOU A UNICA NESTA EMPREITADA DA VIDA… É SEGUIR O CORAÇÃO, PERFEIÇÃO DEFINITIVAMENTE NÃO EXISTE.

    Marcos Billé

    24 de Março de 2014 às 10:54Responder

    Sou pai e parece-me que já ouvi tudo isso da boca da minha mulher. Você está de parabéns, minha Querida Mirela ! Ser mãe é errar (quem não erra?) e acertar muitas vezes, perder a paciência e depois ter nó na garganta, fingir que não vê e depois tornar-se sempre presente. Bjs.

    Graziele Cardoso

    10 de Abril de 2014 às 14:19Responder

    Eu tenho dois filhos, uma menina de 8 anos e um menino de 4 anos. E só posso dizer que você descreveu perfeitamente as angústias da maternidade, do ato de “ser mãe”. Lendo esse texto, eu ri e chorei ao mesmo tempo. Pois é assim que estou me sentindo nesse momento da minha vida.

    katia

    21 de Maio de 2014 às 23:28Responder

    Obrigada pelo relato sincero, sem hipocrisia!

    Salvastes a mais uma mãe de primeira viagem.

    Tirando a amamentação da madrugada que tem sido super tranquila pra mim, o texto me descreve totalmente!!

    Isadora

    30 de Agosto de 2014 às 5:49Responder

    Cá estou eu, caí no seu blog numa tentativa enlouquecida pela milésima vez de encontrar alguma solução, dica, consolo….. Aliás, te sigo no instagram tem alguns meses e te vejo como a mãe perfeita e eu juro que todas as vezes que me sinto péssima por falhar….eu imediatamente lembro que queria ser uma mãe maravilhosa como você rsrs
    A Internet sempre foi meu meio de buscar a cura para meus problemas! Embora esse post seja bem antigo ele me caiu como uma luva.
    São 05:30h e como sempre, minha noite de sono foi péssima, pois meu filho de 1 ano parece querer testar a minha paciência acordando de dez em dez minutos até eu me dar conta que já é de manhã e eu ainda não preguei os olhos (não é exagero). Cheguei a um ponto que minha paciência foi pro espaço a muito tempo e eu já estou me descontrolando na frente do meu filho.
    Eu fico tão irritada que grito, xingo e até choro de raiva! E depois disso tudo eu choro de remorso, remorso por não conseguir ser uma boa mãe pro Saul, remorso por lembrar que eu dizia que ia ser a melhor mãe do mundo e de repente me ver a ponto de perder a cabeça e acabar dando uns tapas nessa criança!! Meu filho é a minha vida, isso eu digo com a boca cheia, mas eu fico arrasada por ser tão estressada e ao mesmo tempo que eu grito eu penso no montro que eu sou em gritar com uma criança de um ano, aí no outro dia eu juro pra mim mesma que nunca mais vou gritar e brigar e quando eu vejo já estou furiosa de novo….
    Acontece que eu entendo a fase difícil do meu filho mas não consigo aceitar esse meu temperamento explosivo que não consigo controlar de jeito nenhum :(
    Me sinto a própria bruxa!!!!

    Deixe um comentário